Farc prometem soltar mais seis seqüestrados

Reféns serão entregues ?em breve? a comissão liderada por Piedad Córdoba como ?um gesto para impulsionar um acordo humanitário?

AFP e Efe, Bogotá, O Estadao de S.Paulo

22 de dezembro de 2008 | 00h00

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) anunciaram ontem que "em breve" libertarão unilateralmente 6 dos 28 reféns políticos que ainda estão em seu poder - dois políticos, três policiais e um militar. O anúncio foi feito no site da Agência de Notícias Nova Colômbia (Anncol), usado pela guerrilha para transmitir seus comunicados. "Como um gesto para criar condições favoráveis para um acordo humanitário, anunciamos a pronta libertação unilateral de seis prisioneiros", diz o comunicado. "As condições de modo, tempo e lugar (em que esses reféns serão entregues) serão divulgados em seu devido momento." Os políticos incluídos na lista das libertações são o ex-governador do Estado de Lara Alan Jara e o ex-deputado Sigifredo López. O nome dos policiais e do militar não foram divulgados, mas o comunicado diz que eles serão os primeiros a serem libertados. Os reféns devem ser entregues a uma comissão liderada pela senadora colombiana Piedad Córdoba. Simpatizante de Hugo Chávez, Piedad serviu de mediadora nas negociações com a guerrilha no início do ano, quando as Farc entregaram seis reféns para o presidente venezuelano. Piedad disse ontem que gostaria de contar novamente com "o acompanhamento" de Chávez. "Tomara que ele possa acompanhar (esse processo), mas também sei que o governo precisa ser consultado sobre isso, pois esse é um problema colombiano", afirmou.As Farc propõe trocar seus reféns políticos por 500 rebeldes presos. Alguns dos reféns estão em cativeiros há 11 anos. Alan Jara havia sido seqüestrado em julho de 2001 quando viajava num carro da ONU. Já Sigifredo López é o único sobrevivente do grupo de 12 deputados do departamento de Valle capturado pela guerrilha em abril de 2002. Seus 11 companheiros foram mortos em junho de 2007 executados por guerrilheiros após o encontro com um grupo inimigo "não identificado", segundo o governo colombiano - ou atingidos pelo fogo cruzado, na versão das Farc.Os seis reféns entregues a Chávez no início do ano foram as únicas libertações unilaterais das Farc até agora. Em julho, porém, uma operação militar organizada pelo Exército colombiano conseguiu libertar outros 15 reféns da guerrilha, entre eles a ex-candidata presidencial, Ingrid Betancourt. Em outubro, um guerrilheiro desertor fugiu com o ex-congressista Óscar Lizcano. LIBERTAÇÕES Janeiro de 2008 - Farc entregam para o presidente venezuelano, Hugo Chávez, a ex-congressista Consuelo Gonzáles de Perdomo e Clara Rojas, assessora da ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt. A senadora colombiana Piedad Córdoba participa das negociações Fevereiro de 2008 - A guerrilha decide entregar a Chávez mais quatro reféns, todos ex-congressistas que estavam em cativeiro havia seis anos: Gloria Polanco, Luis Eládio Perez, Orlando Beltrán e Jorge Eduardo Gechem Julho de 2008 - Uma operação militar organizada pelo Exército colombiano conseguiu libertar outros 15 reféns da guerrilha, entre eles três americanos e a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt. Os guerrilheiros foram enganados por militares que se fizeram passar por integrantes de ONGs e organizações humanitárias Outubro de 2008 - O guerrilheiro conhecido como "Isaza" deserta e liberta o ex-congressista Óscar Lizcano. Ele recebe a recompensa oferecida pelo governo a rebeldes que ajudem a libertar reféns

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.