Farc querem que celebridades ajudem na troca de presos

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), o maior grupo rebelde da América Latina, pediram a ajuda do ator Denzel Washington e dos cineastas Oliver Stone e Michael Moore nas negociações para uma troca de prisioneiros e reféns, inclusive americanos, com o governo colombiano. As Farc divulgaram nesta quinta-feira uma carta pedindo às celebridades para intercederem junto ao povo americano. "Ao povo dos Estados Unidos, pedimos por sua sempre generosa solidariedade para pressionar o presidente Bush e seu governo a apoiarem uma troca de prisioneiros na Colômbia", escreveu Raul Reyes, o porta-voz das Farc. A carta também foi endereçada aos acadêmicos Noam Chomsky, James Petra e Angela Davis, assim como para o ativista democrata Jesse Jackson. Três especialistas em segurança americanos, Thomas Howes, Keith Stansell e Mark Gonsalves, participavam de uma missão de coleta de inteligência quando o pequeno avião em que estavam caiu em fevereiro de 2003 no sul da Colômbia - e eles foram capturados por rebeldes. Na carta, as Farc garantem que eles "estão vivos em nossa custódia, tratados com respeito e dignidade na floresta". Reys acrescenta que "eles são os únicos prisioneiros americanos vivos no mundo". As Farc, para o governo dos EUA uma "organização estrangeira terrorista", mantêm sob custódia cerca de 60 outros proeminentes reféns, como a ex-candidata presidencial franco-colombiana Ingrid Betancourt, políticos e oficiais militares. A guerrilha quer trocá-los por cerca de 600 rebeldes presos. Negociações suspensas O presidente colombiano, Alvaro Uribe, recentemente suspendeu negociações preliminares depois de responsabilizar o grupo rebelde pelo atentado com carro-bomba contra uma academia militar que feriu mais de 20 pessoas - e insistiu que os reféns seriam libertados em operações militares. As famílias dos seqüestrados se opõem a operações de resgate, temendo que os reféns sejam mortos no fogo cruzado. Posteriormente, Uribe reconsiderou e disse que estaria aberto a possíveis conversações caso os rebeldes dêem sinais de boa-vontade. As Farc querem que sejam incluídos na troca de prisioneiros dois guerrilheiros extraditados para os EUA. Nos últimos seis anos, o governo americano destinou cerca de US$ 4 bilhões em ajuda à Colômbia para combater a insurgência e o tráfico de drogas no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.