Farc querem representante francês para soltar jornalista

Ao confirmar que vai libertar o jornalista francês que está em seu poder, o grupo guerrilheiro Forças Armadas Revolucionarias da Colômbia (Farc) propôs que a entrega seja feita a uma comissão que inclua um representante do governo do presidente eleito François Hollande, segundo comunicado divulgado nesta segunda-feira.

AE, Agência Estado

14 Maio 2012 | 11h19

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICRV) havia antecipado no domingo que as Farc haviam comunicado, no domingo, por meio de contatos não revelados, que libertariam o jornalista francês Romeo Langlois, de 35 anos, sequestrados pelos insurgentes desde 28 de abril.

Mas ainda não está claro quando e onde a libertação poderá ocorrer. O jornalista é radicado na Colômbia há mais de uma década e trabalha como colaborador independente para a emissora de televisão France 24 e para o jornal Le Figaro.

"Evidenciado universalmente o duplo padrão moral do círculo do poder e seus porta-vozes da mídia, o que vai acontecer agora é que vamos libertar Romeo Langlois. Para garantir ainda mais sua vida e integridade, propomos entregá-lo em um lugar seguro para um comissão integrada pela Cruz Vermelha Internacional, a (ex) senadora Piedad Córdoba e um enviado pessoal do novo presidente francês François Hollande'''', diz o grupo em comunicado divulgado na página de internet da rádio Café Stereo, que costuma difundir pronunciamentos das Farc.

Hollande vai receber o poder das mãos de Nicolas Sarkozy em 15 de maio. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Colômbia Farc jornalista libertação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.