EFE
EFE

Partido Farc realiza ato na Venezuela com objetivo de criar filial no país

Força Alternativa Revolucionária do Comum disse querer ‘desmascarar os principais instigadores fascistas que tentam dividir dois povos’, como colombianos e venezuelanos

O Estado de S.Paulo

12 Novembro 2017 | 16h23

CARACAS - O recém-criado partido político colombiano Força Alternativa Revolucionária do Comum (Farc) realiza neste fim de semana seu primeiro ato na Venezuela, com o objetivo de iniciar sua implementação no país vizinho. A organização surgiu da maior guerrilha colombiana, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

+ Farc lançam candidatura presidencial do ex-líder guerrilheiro 'Timochenko'

O objetivo do partido Farc com sua presença na Venezuela é "desmascarar os principais instigadores fascistas que tentam dividir dois povos, como Colômbia e Venezuela, unidos historicamente na defesa da paz e do internacionalismo revolucionário", disse a organização política no texto descritivo do evento.

+ Ex-guerrilheiros das Farc montam comunidades em áreas rurais

O partido informou que, durante o ato na cidade de Maracay, no Estado de Aragua, no centro-norte da Venezuela, "serão criados grupos de trabalho" que contarão com a participação de colombianos radicados na Venezuela. O evento deve servir "para assentar as bases do partido Farc na República Bolivariana da Venezuela".

"A organização do encontro Farc-Venezuela espera contribuir com a convivência pacífica, a união das fronteiras comuns, o combate ao paramilitarismo, a erradicação da corrupção e do contrabando de extração, e a luta contra o bloqueio econômico que os EUA tentam aplicar contra a pátria de Hugo Chávez", acrescentou o partido no texto.

O ato, chamado "Primeiro Encontro Nacional Preparatório", é considerado o primeiro passo "para criar a estrutura organizacional do partido Farc na Venezuela", segundo um comunicado do Partido Comunista Colombiano, aliado do movimento político da antiga guerrilha.

O cartaz do evento mostra um mapa da Venezuela ao lado das silhuetas de Manuel Marulanda “Tirofijo”, fundador da guerrilha, e do libertador Simón Bolívar.

Segundo o texto, "esta atividade internacionalista do partido Farc na Venezuela é um exercício imprescindível no atual e complexo cenário criado pelo imperialismo, com a cumplicidade aberta e descarada do fascismo e da extrema direita, que avança contra a República Bolivariana da Venezuela".

Uma das prioridades do braço venezuelano da Farc será "a criação de uma estrutura informativa, para responder às ações mentirosas dos veículos de imprensa financiados pela direita tanto na Colômbia como dentro da Venezuela".

Os governos chavistas venezuelanos foram um fator-chave na negociação com o poder colombiano, que levou à desmobilização da guerrilha das Farc e sua transformação em partido político.

Bogotá e Caracas tiveram no passado fortes enfrentamentos em razão da ajuda que o governo de Hugo Chávez prestava à guerrilha. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.