Farc reiteram interesse em libertar reféns e criticam Uribe

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) afirmaram nesta sexta-feira que seguem interessadas em trocar os reféns que mantêm por guerrilheiros presos, mas criticaram as condições estabelecidas pelo presidente Álvaro Uribe.O porta-voz das Farc, Luis Edgar Devia, conhecido como "Raúl Reyes", disse em entrevista divulgada na internet que o governante não possui "vontade política".Uribe se opôs na última terça-feira a que os rebeldes das Farc andem armados na zona que for desmilitarizada para as negociações, e afirmou que os guerrilheiros que deixarem as prisões não poderão voltar ao grupo.As Farc mantêm 59 reféns, entre políticos, soldados e policiais. A organização deseja trocá-los por cerca de 500 guerrilheiros presos."O presidente tirou a pele de cordeiro e mostrou que é um lobo", disse Reyes."Estamos em um ponto inicial. Se o Governo demonstrar vontade de negociar e a comunidade nacional e internacional apoiarem o processo, haverá resultados rapidamente", afirmou.O grupo espera que Uribe assine um decreto autorizando a desmilitarização dos municípios de Pradaria e Flórida (no sudoeste do país) por 45 dias para a realização da troca.Essa desmilitarização, que o Governo não aceitava, foi exigida pelas Farc há quatro anos. "Raúl Reyes" afirmou que as Farc esperam que o Governo decrete em breve a retirada da polícia para que os representantes da organização cheguem ao local e dêem início aos diálogos.Entre os seqüestrados pelas Farc estão a ex-candidata à Presidência Ingrid Betancourt, um ex-ministro, um ex-governador, vários ex-parlamentares, doze deputados regionais, dezenas de soldados e policiais e três empresários americanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.