Farc reiteram promessa de libertar reféns e negam coordenadas erradas

Sequestrados devem ser soltos ainda hoje em operação com apoio logístico brasileiro

Efe,

16 de fevereiro de 2011 | 13h01

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) reiteraram o compromisso com a libertação de dois reféns e negaram terem dado coordenadas erradas do local de entrega no domingo passado, como argumenta o Governo. Os sequestrados devem ser soltos nesta quarta-feira, 16.

As coordenadas da região na qual serão entregues o policial Guillermo Solórzano e o militar Salín Sanmiguel serão transmitidas de maneira oportuna, afirma a guerrilha em comunicado enviado nesta quarta-feira à imprensa local, no qual reiteram sua decisão de cumprir o compromisso de libertar os dois sequestrados.

O comunicado, assinado pelo Bloco Móvel Arturo Ruiz das Farc, está datado nas "Montanhas da Colômbia" em 14 de fevereiro, um dia após a frustrada libertação de Solórzano, major da Polícia, e Sanmiguel, cabo do Exército.

"Infelizmente, no dia anterior, por razões que estamos investigando, não foi possível completar a libertação unilateral da totalidade dos prisioneiros de guerra anunciados", sustenta o grupo rebelde.

"Desde o momento em que foi feito o anúncio público da libertação não cessaram os combates diários com o Exército na zona onde permanecem os prisioneiros, o major Solórzano e cabo Salín Sanmiguel".

Além disso, segundo as Farc, a região "é a mesma" onde ambos serão entregues à ex-senadora Piedad Córdoba e cujas coordenadas, em uma área limítrofe entre os departamentos de Valle del Cauca e Cauca, no sudoeste do país, "serão transmitidas em breve".

 

A operação humanitária para concretizar as libertações começou na quarta-feira passada com a entrega do vereador Marcos Baquero e continuou na sexta-feira com as do também vereador Armando Acuña e o fuzileiro naval Henry López.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbiaReféns das Farc

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.