EFE/Alex Castro
EFE/Alex Castro

Farc respondem a apelo do papa Francisco pela paz na Colômbia

Guerrilheiros prometem ao pontífice que uma solução para o conflito na Colômbia e uma reconciliação estão perto de ocorrer

FELIPE CORAZZA, ENVIADO ESPECIAL / HAVANA

21 Setembro 2015 | 20h02

HAVANA - O comando das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) saudou ontem o papa Francisco e respondeu a seus apelos para que o diálogo de paz entre a guerrilha e o governo de Bogotá sejam concluídos com sucesso. Os guerrilheiros prometeram ao pontífice que uma solução para o conflito e uma “reconciliação” estão “perto”.

Na primeira missa que rezou em Cuba, no domingo, Francisco dedicou um longo trecho de seu Angelus à situação do conflito colombiano. “Desde as montanhas da Colômbia, trazemos ao papa, irmão dos pobres, missionário da paz e da concórdia, o pontífice que ama e cuida da criação, a saudação de milhares de guerrilheiros e guerrilheiras das Farc”, afirmou o grupo em comunicado enviado ao pontífice e divulgado na tarde de ontem.

O diálogo entre o governo de Juan Manuel Santos e os guerrilheiros ocorre em Havana numa mesa de negociação que já se desenrola há três anos. Francisco disse que a Colômbia não pode perder a chance de encerrar a “longa noite de violência” da guerra e não pode permitir de forma alguma que a negociação fracasse mais uma vez.

Os negociadores guerrilheiros que assinam o comunicado também pediram ao papa que “continue difundindo a boa-nova da paz na Colômbia, que contribua para realizar uma jornada nacional de contrição na qual todos os atores do conflito - combatentes e não combatentes - ofereçam a verdade, reconheçam responsabilidades e se comprometam com um ‘nunca mais’”. 

Ontem, o presidente colombiano já havia respondido às palavras do papa Francisco, também agradecendo pelo empenho do líder da Igreja Católica na questão e oferecendo seus esforços para concluir as negociações para deposição de armas dos guerrilheiros com sucesso. 

Mais conteúdo sobre:
Cuba papa Francisco Farc Colômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.