EFE/MAURICIO DUEÑAS CASTAÑEDA
EFE/MAURICIO DUEÑAS CASTAÑEDA

Farc têm 10 mil membros, 8 deles brasileiros, revela censo

Há 100 estrangeiros entre os guerrilheiros, a maioria da Venezuela, revela estudo que ajudará na reinserção dos insurgentes à sociedade

O Estado de S.Paulo

06 Julho 2017 | 22h28

BOGOTÁ - As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) contam com 10.015 membros, sendo 8 brasileiros de um total de 100 estrangeiros, que estão nas zonas de reunião ou em prisões da Colômbia se preparando viver na legalidade, segundo um censo socioeconômico divulgado nesta quinta-feira pela Universidade Nacional da Colômbia.

Entre os estrangeiros, o grupo mais numeroso é o de venezuelanos, com 54 membros. O segundo maior contingente é o de equatorianos, com 16, seguido pelo de 8 brasileiros. Também há "um ou dois" cidadãos de Chile, Argentina, Holanda, República Dominicana, Panamá, Argentina e França, de acordo com o coordenador-geral do censo, Javier Jiménez.

O estudo, realizado em quatro semanas, foi recebido pelo diretor da Agência para a Reincorporações e a Normalização (ARN), Joshua Mitrotti, e pelo líder guerrilheiro Félix Antonio Muñoz Lascarro, conhecido como "Pastor Alape". Eles vão utilizar o documento para concretizar as políticas de reincorporação dos insurgentes à sociedade uma vez terminado o conflito.

O censo abrangeu as 26 chamadas zonas transitórias de normalização (ZVTN) - onde já estão os ex-combatentes -, 38 prisões e 9 casas de acolhimento para as crianças que estavam na guerrilha e faz parte do acordo de paz assinado entre as Farc e o governo da Colômbia.

Para Lascarro, o censo foi um "exercício bem-sucedido para o país", e "a comunidade guerrilheira ficou satisfeita com o trabalho". E de acordo com o reitor da Universidade Nacional da Colômbia, Ignacio Mantilla, os objetivos foram atingidos.

A contagem aponta que, dos membros das Farc, 55% são guerrilheiros, 29% são milicianos (colaboradores sem uniforme) e os 16% restantes estão presos. Por escolaridade, foi estabelecido que 90% sabem ler e escrever, sendo que 57% têm formação primária, 21% cursaram o ensino médio, 8% têm formação técnica e 3% possuem curso superior.

O levantamento também mostrou que há 2.267 grávidas, das quais 77% faziam pré-natal. Por idade, notou-se que a gravidez é mais frequente entre as mulheres que têm entre 23 e 27 anos.

A pesquisa da Universidade Nacional da Colômbia descobriu ainda que 66% dos integrantes das Farc são pessoas da zonas rurais, 19% pertencem ao perímetro urbano e 15% são de uma mistura dos dois. Quanto a moradia, 77% disseram ao pesquisador que não têm um lugar para morar, 12% manifestaram ter uma casa em uma zona rural, 7% disseram ter uma moradia perto da cidade e os 4% restantes afirmaram viver em um local povoado.

Conforme a contagem, dos 10.015 recenseados, 60% têm interesse em desenvolver projetos agropecuários em fazendas, 39% querem participar de programas de construção e melhoria de moradias, e o restante, atividades de construção e manutenção de estadas, escolas e postos de saúde.

Ao todo, 17% dos integrantes estão dispostos a realizar atividades de desativação de minas, 27% querem ser guardas florestais e 32% gostariam de participar de projetos educacionais. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.