Farc tinham planos de seqüestrar personalidades

A candidata presidencial Ingrid Betancourt foi seqüestrada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) com o propósito aparente de ser trocada por rebeldes presos, disse o ministro do Interior, Armando Estrada."Recebemos um comunicado assinado por Joaquín Gómez, um dos porta-vozes das Farc, dizendo que ela foi seqüestrada para integrar a lista de prisioneiros que será entregue ao novo governo, mas ainda estamos verificando sua autenticidade", admitiu nesta terça-feira Estrada.Da lista de reféns constam cinco congressistas, alguns dirigentes políticos e cerca de 50 oficiais da polícia e exército que foram seqüestrados pelas Farc. Seus familiares disseram que os presos só serão libertados quando o governo aceitar entregar dirigentes e combatentes da guerrilha.O telejornal Noticias Uno divulgou um comunicado que foi lido por um dos comandantes das Farc, Fabian Ramírez, afirmando que Ingrid e sua "assessora engrossarão a lista de prisioneiros por um ano". E acrescentou: "se o governo não tomar nenhuma decisão, nós tomaremos a decisão que mais nos interessar". Se for confirmada a veracidade do comunicado, Betancourt não poderá participar do restante da campanha para as eleições presidenciais, marcadas para 26 de maio, porque o suposto comunicado prevê negociar somente com o próximo governo, que tomará posse em 7 de agosto. "Até o momento não concebemos ainda a possibilidade de troca", afirmou o ministro. No ano passado o governo teve que fazer um "intercâmbio humanitário" de 350 soldados e policiais por 13 guerrilheiros presos que estavam doentes. Há meses, Jorge Briceño, conhecido como ?Mono Jojoy?, considerado o chefe militar das Farc, disse aos jornalistas que a guerrilha estudava seqüestrar ministros e personalidades da vida pública colombiana para pressionar a troca por rebeldes, o que parece confirmar o caso de Betancourt.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.