Farc voltam a propor troca de reféns

As Farc reafirmaram em duas cartas divulgadas ontem que só libertarão os 22 militares e policiais mantidos em seu poder se o governo aceitar, em troca, libertar 500 guerrilheiros presos. As exigências haviam sido entregues à senadora colombiana Piedad Córdoba na quinta-feira. Uma das cartas é assinada por Guillermo León Sánchez, conhecido como Alfonso Cano, chefe das Farc. Ontem, seis militares colombianos morreram no Departamento de Cauca após combates contra a guerrilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.