Fariñas é preso em ato de homenagem a dissidente morto em Cuba

Opositor é detido em sua casa; Obama e ONG se pronunciam contra medidas do governo cubano

estadão.com.br

23 de fevereiro de 2011 | 20h44

Cubanos relembrar morte de Zapata em Havana.

 

HAVANA - A polícia de Cuba deteve nesta quarta-feira, 23, o dissidente Guillermo Fariñas por participar de uma manifestação na capital cubana relembrando a morte do opositor Orlando Zapata. Fariñas foi levado a uma delegacia depois de passar horas sob prisão domiciliar.

 

Veja também:

lista Veja lista dos 52 presos políticos

 

A mãe do opositor, Alicia Hernández, disse que a detenção ocorreu quando ele gritou a partir de sua casa frases contra o governo e em favor de Zapata, dissidente que morreu após fazer uma greve de fome em protesto contra as condições às quais são submetidos os presos políticos em Cuba. Apoiadores do governo foram à casa de Fariñas "repudiar" a atitude dele. No fim de janeiro, Fariñas havia sido preso duas vezes.

 

A ONG Human Rights Watch emitiu um comunicado pedindo a libertação imediata de todos os jornalistas e ativistas presos "arbitrariamente" durante os últimos dois dias em Cuba, quando foram realizadas marchas contra o governo. O presidente dos EUA, Barack Obama, também se pronunciou contra o tratamento dado a dissidentes na ilha comandada por Raúl Castro.

 

A morte de Zapata provocou uma onda de críticas de dentro e de fora de Cuba contra o governo, que meses depois anunciou reformas econômicas e a libertação de presos políticos. Em razão da morte do colega opositor, Fariñas também iniciou uma greve de fome, encerrada após o anúncio das libertações.

 

Com Efe.

Tudo o que sabemos sobre:
Cubafariñasdissidentes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.