Fãs brasileiros homenageiam a artista em Camden Square

Flores, velas, mensagens de despedida e mesmo garrafas de bebida foram deixadas ontem na frente da casa da estrela pop

Daniela Milanese, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2011 | 00h00

LONDRES

O movimento na casa de Amy Winehouse aumentou ao longo do domingo, quando fãs se revezaram em homenagens à cantora, deixando flores, velas e mensagens de despedidas. Muitos também depositavam cigarros e bebidas, como uma espécie de "oferenda", no local.

O português era um dos idiomas que mais se ouvia. Turistas desviaram o passeio e residentes decidiram aparecer para presenciar o momento - a curiosidade atraiu boa quantidade de brasileiros. E a presença chama a atenção deles mesmos. "Você também é brasileira? Mas só tem brasileiro aqui", disse Victor Ruas da Costa, de 24 anos, morador de Santos, litoral de São Paulo, que está há 40 dias mochilando pela Europa. Assim como vários outros, ele foi avisado por pessoas do Brasil do ocorrido.

Maria Otília Mioni, de 51 anos, veio de Foz do Iguaçú (Paraná) para visitar os filhos que moram em Londres. Como é fã de Amy, decidiu aproveitar o passeio. Da frente da casa em Camden Square, ela ia seguir para o pub preferido da cantora, The Hamley Arm"s, a 15 minutos a pé do local. Maria Otília já achava que Amy não iria conseguir se restabelecer dos problemas com as drogas e o álcool, mas mesmo assim viu a notícia como "um baque".

As gaúchas Rossana Teixeira, 30 anos, Melina Miller, 30 anos, e Melissa de Boita, 31 anos, estavam passeando pela cidade quando receberam de uma amiga no Brasil, pelo telefone, a notícia da morte. Pararam em uma lanchonete e lá encontraram outra brasileira que havia acabado de passear por Camden Square e ensinou a elas o caminho.

Além de turistas, brasileiros que vivem em Londres também foram conferir o ambiente. Samuel Alano, 34 anos, estava com a mulher e os dois filhos. "Vim ontem e voltei hoje."

Pub. No The Hamley Arm"s, Back to Black era o único "prato" oferecido no cartaz à porta. O movimento era típico de um raro domingo de sol: mesas lotadas e muita cerveja. "A diferença é que agora as pessoas querem ficar tirando fotos", disse uma atendente, já sem paciência.

Amy está presente na parede, junto com tantas outras estrelas e referências da música. Uma de suas fotos autografadas trazia um "PS: I love Blake", uma declaração de amor ao seu ex-marido, Blake Fielder-Civil. A sala no terceiro andar, que costumava ser reservada para a cantora, estava vazia e trancada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.