John Angelillo/Pool via AP
John Angelillo/Pool via AP

Fãs de BTS invadem transmissão online da banda na Assembleia-Geral da ONU

Um dos grupos mais populares da atualidade participou de evento para promover a sustentabilidade e a vacinação contra a covid-19

Michelle Ye Hee Lee - Washington Post, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2021 | 17h50

TÓQUIO - Quase 1 milhão de pessoas assistiram ao que parecia ser o evento mais quente da internet desta segunda-feira, 20: um discurso da boyband de K-pop BTS, na Assembleia-Geral das Nações Unidas

Legiões de fãs do BTS, uma comunidade online hiperorganizada que consegue se mobilizar num instante, inundaram o canal oficial das Nações Unidas no YouTube na segunda-feira com seu emoji de coração roxo, junto com toneladas de emojis chorando, emojis de polegar para cima e todos os outros emojis de coração disponíveis – enquanto a banda incentivava o uso de vacinas.

Os fãs assumiram o controle do chat com tanta veemência durante o discurso dos ícones do K-pop e a performance em vídeo que outros usuários tiveram de intervir para lembrá-los de respeitar o encontro de líderes globais, que se reuniram para discutir a sustentabilidade.

Mas o exército BTS avançou, amplificando a mensagem de esperança da banda e o poder dos adolescentes e jovens de moldar o futuro, desde as mudanças climáticas até a conectividade digital.

Uma conexão mais profunda

Os sete membros – Jin, Suga, J-Hope, RM, Jimin, V e Jungkook – relataram as experiências da geração mais jovem e como suas visões sobre os caminhos futuros estavam sendo moldadas pela pandemia. Seus fãs adolescentes e na casa dos 20 e poucos passaram quase dois anos da pandemia aprendendo coisas novas online, conectando-se uns com os outros num nível mais profundo e estudando questões como mudanças climáticas e maneiras de fazer a diferença, disseram os integrantes da banda.

Eles disseram que esperam que sua geração seja valorizada por sua capacidade de criar um mundo positivo e saudável por meio de suas comunidades online, e não marcada como vítimas de oportunidades perdidas por causa da pandemia.

“Ouvi dizer que as pessoas na adolescência e na faixa dos 20 anos hoje são chamadas de geração perdida da covid”, disse RM. “Acho que é exagero dizer que estão perdidos, só porque olhos adultos não conseguem ver o caminho que eles estão trilhando”.

E eles também endossaram vacinas com entusiasmo.

BTS na luta pela vacinação

“Sim, todos nós sete tomamos vacina, é claro. A vacina foi uma espécie de passaporte para encontrar os fãs que esperavam por nós, para poder estar aqui diante de vocês hoje”, disse J-Hope.

Esta não é a primeira vez que a ONU recebe a visita do BTS, o rosto do soft power sul-coreano. Mas a visita de segunda-feira foi sua primeira aparição no seu novo papel diplomático de “enviado especial da presidência para cultura e gerações futuras”, uma designação que o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, lhes concedeu antes de sua viagem para acompanhá-lo na 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York.

Depois de um discurso de aproximadamente sete minutos, a banda mostrou uma performance em vídeo de seu hit de verão, ‘Permission to Dance’. O vídeo trazia os integrantes cantando e dançando em todo o Salão da Assembleia Geral e nas instalações da sede da ONU. Eles disseram que esperavam que a música inspirasse positividade e boas-vindas.

Em suas observações ao apresentar o BTS, Moon chamou a banda de “os artistas mais amados pelas pessoas de todo o mundo”.

De fato, dezenas de milhões de fãs em todo o mundo responderam orgulhosamente com mensagens na plataforma. As reações das redes sociais ao BTS na ONU viraram trending topics em vários países.

Cerca de uma hora depois de sua aparição – em meio a incontáveis corações roxos que continuaram inundando o chat ao vivo – os fãs finalmente saíram e o canal da ONU no YouTube voltou para seu nível mais comum: menos de 50 mil espectadores. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.