Fatah culpa Hamas por impasse em negociações sobre governo de coalizão

Membros do movimento nacionalista palestino Fatah culparam nesta sexta-feira o grupo islâmico Hamas pelo fracasso nas atuais negociações para a formação de um governo de união nacional, informou o jornal israelense Haaretz. Segundo o periódico, o Fatah classifica como "impossíveis" de serem atendidas algumas das exigências do grupo islâmico.Durante os últimos contatos entre o primeiro-ministro palestino, Ismail Haniye, e o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, o Hamas insistiu em manter as principais pastas ministeriais, incluindo o cargo de premier, segundo as fontes do Fatah.As fontes acrescentaram que as negociações para a formação de um governo de união e um cessar-fogo com Israel têm por objeto evitar uma escalada militar na Faixa de Gaza.O movimento islâmico, à frente do governo palestino, também reivindica que o estabelecimento de um Governo de união nacional signifique o fim do bloqueio político e econômico imposto pela comunidade internacional ao Executivo do Hamas.Por enquanto, ainda segundo o Haaretz, os Estados Unidos rejeitaram plenamente a exigência do Hamas e notificaram Abbas de que não reconhecerão nenhum governo palestino de união que não cumpra as três condições impostas em março pela comunidade internacional. As exigências são o reconhecimento de Israel, a aceitação formal de todos os acordos firmados no passado entre israelenses e palestinos e a renúncia a todas as formas de violência.De acordo com uma carta endereçada a Abbas assinada por Haniye, mesmo com a formação de um governo de coalizão, o Hamas exige a manutenção da maioria dos assentos do gabinete. "Isto é razoável, uma vez que o Hamas tem maioria no parlamento", disse um porta-voz do grupo.As exigências levaram a um impasse nas negociações. Para o líder parlamentar do Fatah, Azzam al-Ahmed, nenhuma negociação será mantida até que "uma agenda política comum" seja criada."O Hamas está falando em anexar outros grupos a seu governo, e não em formar um governo de coalizão. Eu digo, em nome do Fatah, que nós não aceitaremos sermos anexados ao governo. Queremos ser parceiros", disse ele.TréguaAbbas, que se reuniu com membros das diferentes facções palestinas, anunciou na quinta-feira que os grupos armados concordaram em respeitar um cessar-fogo em suas ações contra Israel, embora este ponto tenha sido negado por algumas das facções.A Força Aérea israelense lançou um ataque na madrugada de quinta-feira contra uma oficina metalúrgica na Cidade de Gaza, ferindo um militante e um palestino que passava em frente ao local, segundo fontes da segurança palestina.O Exército israelense disse que o ataque teve como alvo uma instalação onde se fabricavam foguetes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.