Fatah e Hamas marcam reunião para decidir governo palestino

Encontro será na próxima terça-feira, 21, no Cairo, segundo membro do Fatah

Efe,

14 de junho de 2011 | 16h44

CAIRO - O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas - do grupo moderado Fatah -, e o líder máximo do movimento radical Hamas, Khaled Meshaal, se reunirão na próxima terça-feira, 21, no Cairo para chegar a um acordo sobre o novo governo palestino, disse nesta terça-feira, 14, uma fonte envolvida nas negociações.

O membro do Comitê Central do Fatah, Zakaria al Agha, explicou à Efe que os dois líderes pretendem adotar um acordo final sobre a formação de um governo de união nacional.

A decisão foi tomada durante uma reunião na capital egípcia e presidida pelo "número dois" do Hamas, Moussa Abu Marzouk, e o chefe da delegação do Fatah, Azzam al Ahmad.

"As duas delegações analisaram o assunto da formação de um novo governo e vários temas relacionados à reconciliação entre os palestinos", declarou o responsável do Comitê Central do Fatah.

Agha comentou que graças ao "avanço importante" das conversas foi acordada a realização de uma reunião na próxima semana com a participação de Abbas e Meshaal.

A reunião ocorrerá na sede dos serviços secretos egípcios e tem como objetivo completar os mecanismos do acordo de reconciliação, alcançado em 4 de maio no Cairo, e da formação de um governo de independentes.

Antes do encontro, o chefe da delegação do Fatah, citado pela agência estatal Mena, mostrou sua esperança de que esta seja a última reunião sobre a formação de governo.

"Esperamos alcançar um acordo sobre o nome do primeiro-ministro e dos membros do governo", acrescentou Ahmed.

O cargo de primeiro-ministro se transformou no primeiro empecilho da reconciliação, já que o Fatah exige que continue como chefe de governo Salam Fayyad, enquanto que o Hamas se opõe a isso.

Ahmed também destacou a vontade do Fatah de "fechar o capítulo da divisão e aplicar o acordo de reconciliação no terreno".

Este acordo estabelece a formação de um governo provisório formado por tecnocratas e a realização de eleições dentro de um ano.

Um membro do escritório político do Hamas afirmou que existe uma vontade verdadeira de ambas as partes de continuar até que "a reconciliação tenha êxito".

As disputas entre as facções começaram com a vitória do Hamas nas eleições de 2006 e se intensificaram em junho de 2007, após o grupo tomar pela força o controle da Faixa de Gaza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.