Fatwa condena Zardari por elogiar Sarah Palin

Com seus calorosos elogios à candidata republicana à vice-presidência dos EUA, Sarah Palin, o presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, conseguiu um feito único: unir feministas e radicais islâmicos paquistaneses. Durante a Assembléia-Geral da ONU, em Nova York na semana passada, Zardari disse que Sarah era "ainda mais bonita pessoalmente". "Agora entendo por que os EUA estão loucos por você", afirmou o viúvo da ex-premiê Benazir Bhutto.Um mulá de Islamabad lançou uma fatwa (decreto religioso) contra o presidente Zardari, dizendo que ele envergonhou o país "com seus gestos indecentes e comentários obscenos e por elogiar uma mulher não muçulmana que usava uma saia curta".Já as feministas paquistanesas criticaram os "comentários sexistas" de Zardari. "Achei a cena vergonhosa e inaceitável. O presidente não tratou Sarah Palin como uma política", disse Tahira Abdullah, líder do Fórum da Ação da Mulher. "Ele deveria se portar como uma viúvo em luto."O encontro da candidata republicana com Zardari rendeu piadas, dizendo que suas reuniões com líderes mundiais eram uma diplomacia speed dating, em referência a breves encontros amorosos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.