Doug Mills/The New York Times
Doug Mills/The New York Times

Favorito para ser chefe de gabinete de Trump rejeita cargo e deixará Casa Branca

Nick Ayers, que atualmente é chefe de gabinete do vice-presidente Mike Pence, confirmou saída em sua conta no Twitter pouco depois que jornais anteciparam decisão; ele planeja, no entanto, ajudar na campanha de reeleição de Trump

O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2018 | 21h32

WASHINGTON - Nick Ayers, o candidato favorito do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para substituir John Kelly como chefe de gabinete da Casa Branca, anunciou neste domingo, 9, que deixará o governo no final do ano, depois de rejeitar a oferta do governante para ocupar o cargo.

Ayers, que atualmente é chefe de gabinete do vice-presidente Mike Pence, revelou sua decisão na sua conta pessoal do Twitter, pouco depois que vários meios de comunicação anteciparam que ele não seria o substituto de Kelly.

"Obrigado ao presidente Trump, ao vice-presidente Pence e a meus maravilhosos colegas pela honra de servir à nossa nação na Casa Branca. Sairei no final ano, mas trabalharei com a equipe para impulsionar a causa", indicou Ayers.

Os jornais The Wall Street Journal e The New York Times tinham informado pouco antes que Ayers, de 36 anos, não ocuparia o posto de chefe de gabinete, e que planejava ajudar na campanha de reeleição de Trump de um cargo externo.

Trump quer que seu próximo chefe de gabinete se comprometa a permanecer no cargo até depois das eleições de 2020, nas quais o presidente buscará a reeleição, e Ayers, que tem filhos trigêmeos pequenos, só estava disposto a ocupar o posto durante três meses, para depois voltar ao seu Estado, a Geórgia.

O presidente americano se mostrou inicialmente aberto a dar um posto temporário a Ayers enquanto buscava um assessor permanente, mas decidiu que não valia a pena, segundo os jornais americanos.

Trump não tem certeza ainda sobre quem será o substituto de Kelly, mas neste final de semana assegurou a vários de seus confidentes que está pensando em nomear o congressista republicano Mark Meadows, de acordo com o portal de notícias "Axios".

Meadows, de 59 anos, é o presidente do Freedom Caucus, um grupo de congressistas ultraconservadores na Câmara dos Deputados dos Estados Unidos.

Por sua parte, o jornal The New York Times afirmou no sábado que Trump também tinha cogitado entregar o posto ao secretário do Tesouro, Steven Mnuchin; ao diretor de orçamento da Casa Branca, Mick Mulvaney, ou ao representante de Comércio Exterior, Robert Lighthizer.

Trump anunciou que Kelly deixará seu cargo no final do ano depois de meses de tensões entre ele e o general da reserva, que tentou impor disciplina na Ala Oeste da Casa Branca, mas não pôde conter as polêmicas declarações e tuítes do presidente. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.