Fazendas americanas instalam-se no México

Fazendeiros dos EUA atravessam fronteira e driblam restrições a ilegais

Julia Preston, The New York Times, O Estadao de S.Paulo

29 de setembro de 2007 | 00h00

Celaya, México - Steve Scaroni, um fazendeiro da Califórnia, olhou para o grande campo onde plantava alface no México central e gostou do que viu: grupos de trabalhadores agrícolas mexicanos sem nenhum problema de imigração. Trabalhando com produção agrícola desde a adolescência, Scaroni, de 50 anos, construiu um negócio de US$ 50 milhões cultivando alface e brócolis nos campos californianos, dependendo dos braços de trabalhadores imigrantes - a maioria deles mexicanos e muitos em situação ilegal nos EUA.No entanto, no começo do ano passado, Scaroni começou a transferir parte de suas plantações para campos arrendados no México. Agora, cerca de 500 mexicanos cuidam de suas colheitas em terras mexicanas, onde não correm o risco de ser deportados.''''Sou um americano genuíno'''', disse Scaroni. ''''Mas estou cansado de brigar sobre a questão da imigração.''''Um sentimento de crise toma conta de fazendeiros americanos que dependem de trabalhadores imigrantes. Desde que um projeto de lei sobre imigração foi rejeitado em junho no Senado e as autoridades anunciaram uma repressão aos empregadores de imigrantes ilegais, esse sentimento se intensificou. Um número crescente de fazendeiros vem testando a alternativa de cultivar produtos do outro lado da fronteira, onde estão muitos dos trabalhadores, segundo plantadores e legisladores dos Estados Unidos e do México.A Western Growers, uma associação que representa fazendeiros da Califórnia e do Arizona, fez uma consulta informal por telefone com seus integrantes no segundo trimestre deste ano. Doze grandes empresas de agrobusiness que admitiram manter operações no México informaram ter um total de 11 mil trabalhadores neste país.''''Parece que está ocorrendo uma corrida maior para o México e outros países'''', afirmou o presidente da Western Growers, Tom Nassif, segundo o qual existem americanos cultivando também em países centro-americanos.Não há estatísticas precisas sobre a atividade agrícola americana no México porque os plantadores procuram não chamar a atenção para suas operações no exterior. No entanto, em julho, a senadora democrata Dianne Feinstein, da Califórnia, mostrou um mapa no Senado localizando mais de 18 mil hectares em apenas dois Estados mexicanos - Guanajuato e Baixa Califórnia - nos quais os fazendeiros americanos estão investindo em plantações.''''Os fazendeiros estão arrendando terras no México'''', afirmou. ''''Eles não querem que nós saibamos disso.''''A senadora previu que mais fazendeiros americanos devem deslocar-se para o México atrás de abundância de trabalhadores e salários mais baixos. Ela defendeu uma medida no rejeitado projeto de lei sobre imigração que criaria um novo programa de ''''trabalhadores hóspedes'''' para a agricultura e uma condição legal especial para trabalhadores agrícolas que são imigrantes ilegais no país.No passado, alguns americanos plantaram ao sul da fronteira para escapar da escalada dos preços da terra nos EUA e assegurar o fornecimento durante o ano todo de produtos que o país só poderia produzir sazonalmente. Mas, nos últimos três anos, segundo o presidente da Western Growers e outros plantadores, as incertezas sobre a força de trabalho tornaram-se uma razão importante para muitos deles terem transferido operações para o México.Embora o país do presidente mexicano, Felipe Calderón, também se beneficie com a tecnologia e as técnicas mais modernas para o solo rico de suas regiões setentrionais, trazidas pelos fazendeiros americanos, economistas agrícolas americanos dizem que milhares de empregos de classe média que sustentam a agricultora estão sendo perdidos nos EUA. Alguns legisladores americanos alertam também para os riscos de segurança que podem surgir quando alimentos para consumo nos EUA passam a ser produzidos cada vez mais no exterior.Caminhando por uma de suas primeiras plantações de alface perto de Celaya, um centro de agrobusiness no Estado de Guanajuato, o fazendeiro Scaroni é mais franco que muitos outros empresários do setor sobre sua mudança para esta região. Ele afirma que já fez seis viagens a Washington para pedir ao Congresso de seu país a liberação de mais imigrantes ilegais para a agricultura.''''Tenho uma clientela que pede que a gente produza e entregue todos os dias'''', disse ele. Segundo Scaroni, sem trabalhadores legais na Califórnia, ele não tem escolha a não ser transferir seus negócios para fora do país. O fazendeiro afirma que os trabalhadores mexicanos são menos produtivos quando trabalham no México. ''''Nada é fácil por aqui'''', diz ele. ''''Mas pelo menos aqui não tenho de preocupar-me em perder a mão-de-obra por causa de uma busca por imigrantes ilegais.''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.