Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

FBI caça suspeitos de atentado em Boston

Segundo a polícia da cidade, ninguém foi preso; jovem saudita foi interrogado e oficiais conduziram busca em apartamento

O Estado de S. Paulo,

16 de abril de 2013 | 11h41

 BOSTON - A polícia de Boston informou nesta terça-feira, 16, que ninguém foi detido suspeito de envolvimento com os atentados de ontem na cidade. Até agora, três pessoas morreram e 176 ficaram feridas, 17 delas em estado grave. 

 

O FBI, que assumiu a investigação, fez uma busca em um apartamento no subúrbio de Revere, nos arredores de Boston. Segundo o jornal The Boston Globe, um estudante saudita de intercâmbio - que ficou ferido no ataque - foi interrogado no hospital e liberado. 

 

Nenhum grupo assumiu autoria do ataque. A polícia trata o caso como uma investigação criminal "com potencial para se tornar uma investigação sobre terrorismo".

 

Em entrevista coletiva conjunta, o FBI, a polícia local e autoridades municipais e estaduais pediram que as pessoas que estavam na reta final da Maratona de Boston - onde ocorreu o ataque - colaborem com a investigação enviando fotos e vídeos do momento do ataque. 

 

"A investigação continua em vários locais de Boston, mas não há novas ameaças", disse o agente do FBI a cargo do caso, Rick Deslauriers. " O público americano merece respostas e estamos trabalhando em várias linhas."

 

O governador de Massachusetts, Deval Patrick, esclareceu que não huve bombas desarmadas pela polícia ontem, mas sim denúncias infundadas de pacotes suspeitos. 

 

O comissário de polícia de Boston, Ed Davies, disse que a cena do ataque é " a mais complexa com a qual a corporação já lidou". / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Atentado em BostonEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.