REUTERS/Maxim Shemetov/File Photo
REUTERS/Maxim Shemetov/File Photo

FBI diz que há esforços 'muito ativos' da Rússia para interferir na eleição dos EUA

Depoimento de Christopher A. Wray, diretor do FBI, contradiz os esforços do presidente Donald Trump e de outras autoridades para minimizar as ameaças de interferência externa; esforços russos teriam como objetivo prejudicar Biden

Zolan Kanno-Youngs / The New York Times, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2020 | 11h30

WASHINGTON - O diretor do FBI, Christopher A. Wray, afirmou em um comitê da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos na quinta-feira, 17, que a Rússia está ativamente elaborando uma campanha de desinformação contra o ex-vice-presidente Joe Biden. 

Wray concordou com uma avaliação da comunidade de inteligência no mês passado de que a Rússia estava conduzindo uma campanha "muito ativa" para espalhar desinformação e interferir na eleição presidencial, com Biden como o alvo principal. 

“Certamente vimos esforços muito ativos dos russos para influenciar nossa eleição em 2020”, disse Wray. Segundo ele, o objetivo da Rússia é "semear divisão e a discórdia" na sociedade americana. "A comunidade de inteligência avaliou isso publicamente - principalmente para prejudicar o vice-presidente Biden naquilo que os russos veem como uma espécie de establishment anti-russo".  

Ele também disse que o extremismo violento com motivação racial, principalmente de supremacistas brancos, constituiu a maioria das ameaças de terrorismo doméstico no país. Os comentários de Wray foram o exemplo mais recente de um alto funcionário da segurança nacional contradizendo o presidente Trump, que minimiza a interferência russa nas eleições. 

A Microsoft emitiu um alerta na semana passada detalhando os esforços das unidades de inteligência militar russa para hackear membros da equipe de campanha e consultores de democratas e republicanos. O relatório também descobriu que hackers chineses concentraram os ataques nos e-mails privados dos membros da equipe de campanha de Biden. 

Violência

Os democratas o pressionaram para saber se o governo estava concentrando esforços suficientes nas milícias armadas e na supremacia branca, enquanto os republicanos expressaram preocupações semelhantes sobre a Antifa, que Wray descreveu como uma “ideologia ou movimento” ao invés de uma organização.

“Não pretendo, de forma alguma, minimizar a gravidade da violência e da criminalidade que está ocorrendo em todo o país, alguns dos quais podem ser atribuídos a pessoas inspiradas ou que se identificam com essa ideologia ou movimento”, disse Wray. “Estamos focados nessa violência, nessa criminalidade.”

Wray disse que o FBI realiza, em média, cerca de 1.000 investigações de terrorismo doméstico por ano e registrou cerca de 120 prisões por suspeitas de terrorismo doméstico em 2020. Mas deixou claro que os grupos de supremacia branca e anti-governo eram as principais ameaças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.