Photo by John Wauldron / John Wauldron / AFP
Photo by John Wauldron / John Wauldron / AFP

FBI encontra caixa-preta de avião roubado de aeroporto nos EUA

Autoridades ainda não descobriram como o funcionário, que não tinha certificado de piloto nem treinamento profissional, foi capaz de manobrar a aeronave antes de cair

O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2018 | 03h00

SEATTLE, Estados Unidos - O Departamento Federal de Investigação dos Estados Unidos (FBI) encontrou a caixa-preta do avião roubado por um funcionário do Aeroporto Internacional de Seattle-Tacoma na noite de sexta-feira, 10. A aeronave decolou sem autorização e sem passageiros e caiu uma hora depois em uma ilha nos arredores de Tacoma, nos Estados Unidos. Apenas o piloto morreu.

A caixa-preta foi enviada a Washington para análise do Conselho Nacional de Segurança no Transporte (NTSB, na sigla em inglês). 

Em gravações feitas durante o voo entre o piloto, Richard Russell, de 29 anos, e controladores de tráfego aéreo do aeroporto de Seattle, o funcionário fez piadas e pediu desculpas pelo incidente. Russell, que trabalhava há três anos e meio como membro da equipe de solo da Horizon Air, disse que voar era "incrível" e que não precisou de ajuda pois "jogou bastante vídeo game antes".

Em determinado momento, Russell afirmou que "havia muita gente preocupada com ele" e que não queria machucar ninguém. "Eu sou apenas um cara doente, com uns parafusos soltos", disse.

Neste domingo, o Instituto Médico Legal do Condado de Pierce confirmou o óbito de Russell, que morreu após o avião cair na ilha de Ketron, no sul do estuário de Puget, em Tacoma. Antes da queda, Russell efetuou uma série de manobras em pleno ar enquanto era perseguido por dois jatos militares da Força Aérea americana.

As autoridades investigam a tese de ato suicida. Segundo o FBI, apesar de trágico, o acidente poderia ter causado um dano maior se o avião tivesse caído em uma área populosa. Na mesma noite, um show do Pearl Jam reuniu milhares de pessoas em Seattle, a apenas 19 quilômetros do local da queda.

Os investigadores também apuram se o avião caiu em uma tentativa frustrada de aterrissagem ou se foi derrubado deliberadamente por Russell. 

Até o momento, o FBI descobriu que Russell utilizou um trator de reboque para conduzir o avião até a pista, mas a investigação ainda não descobriu como o funcionário, que não tinha treinamento profissional nem certificado de piloto, conseguiu manobrar a aeronave no ar.

O incidente colocou em alerta os critérios de segurança adotados nos aeroportos americanos desde o atentado de 11 de Setembro. Como funcionário da Horizon Air, Russell passou por vários processos de checagem de antecedentes e avaliações para obter acesso à aérea segura do terminal, que inclui acesso às aeronaves.

"Os eventos de sexta à noite nos obrigará a aprender o que pudermos dessa tragédia para garantir que isso não se repita no Grupo Alaska Air ou em qualquer outra empresa aérea", disse Brad Tilden, CEO da Alaska Airlines, proprietária da Horizon Air. //ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.