FBI interroga saudita acusado de vínculos com a Al-Qaeda

Agentes do FBI interrogaram um saudita suspeito de ajudar os piratas aéreos que espatifaram aviões contra o World Trade Center e contra o Pentágono, disse nesta terça-feira um funcionário da embaixada americana na Arábia Saudita. Omar al-Bayoumi havia dito no domingo em uma entrevista à emissora de televisão Al-Arabiya, com sede em Dubai, que estava disposto a falar com o FBI, mas apenas em seu país, em presença de agentes de seu governo. Acrescentou que não havia feito nada de condenável. É possível que al-Bayoumi volte a ser interrogado. O FBI enviou uma equipe à Arábia Saudita para interrogar al-Bayoumi assim que um informe do Congresso dos EUA disse que ele havia ajudado dois dos seqüestradores, Khalid al-Mihdhar e Nawaf al-Hazmi, que se encontravam no avião que explodiu contra o Pentágono. Al-Bayoumi estudou nos EUA entre 1994 e 2000, graças a uma bolsa do governo saudita. O informe diz que os três se encontraram em Los Angeles e que al-Midhar e al-Hazmi se mudaram em seguida para o mesmo conjunto residencial de San Diego em que al-Bayoumi vivia. Em declarações anteriores à imprensa saudita, al-Bayoumi havia dito que os dois homens eram apenas seus conhecidos. Dois meses antes dos ataques de setembro de 2001, al-Bayoumi deixou os EUA e viajou para a Grã-Bretanha. Ele disse que funcionários britânicos e americanos o interrogaram após os atentados terroristas, mas depois o deixaram em liberdade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.