Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
EFE/ERIK S. LESSER
EFE/ERIK S. LESSER

FBI investiga motivação de autor de ataque que matou 4 fuzileiros navais no Tennessee

Investigação oficial considera hipótese de o ataque cometido por Mohamed Youssed Abdulazeez ser 'terrorismo doméstico'; imprensa diz que autor, americano nascido no Kuwait, tem vínculos islamistas

O Estado de S. Paulo

17 de julho de 2015 | 10h18

CHATTANOOGA, EUA - O FBI está investigando os motivos que levaram o americano de origem kuwaitiana Mohamed Youssef Abdulazeez, de 24 anos, a matar na quinta-feira, 16, quatro fuzileiros navais em duas instalações militares dos Estados Unidos, enquanto a imprensa local aponta que o autor tinha vínculos islamitas.

As autoridades não relacionaram, por enquanto, Abdulazeez com nenhuma organização islamita porque o FBI não descarta que o ataque seja apenas um "ato criminoso". Porém, desde o primeiro momento, a principal hipótese considerada é a de "terrorismo doméstico".

"Estamos contemplando todas as possibilidades. Caso seja terrorismo, se é então doméstico ou internacional. Consideramos até mesmo se foi um simples ato criminoso", indicou em entrevista o agente especial do FBI Ed Reinhold. A investigação, porém, será tratada como "terrorismo" até que seja provado o contrário.

Abdulazeez disparou contra soldados em duas instalações militares de Chattanooga, uma cidade de 170 mil habitantes no sudeste do Tennessee, antes de ser morto por agentes locais. O ataque ocorreu num momento em que o Exército americano e autoridades estão cada vez mais preocupados com a ameaça que "lobos solitários" representam para alvos dentro do país.

Primeiro, o suspeito efetuou 30 disparos contra um centro de recrutamento, onde deixou vários feridos. Depois, atirou contra uma instalação da reserva dos fuzileiros navais, matando quatro pessoas. Os dois ataques tiveram um intervalo de apenas 30 minutos.

As únicas dúvidas não esclarecidas até o momento foram levantadas pela imprensa americana. A emissora CNN, por exemplo, afirma que Adbulazeez foi preso em abril por dirigir sob efeito de álcool e deveria ser julgado no fim deste mês.

Ainda de acordo com a CNN, o autor do ataque não aparecia em nenhuma base de dados de suspeitos de terrorismo dos EUA, apesar de "poder ter viajado ao Oriente Médio nos últimos anos".

Já o jornal The New York Times publicou que o pai de Abdulazeez esteve em uma lista de suspeitos de terrorismo há muitos anos, apesar de o nome ter sido retirado posteriormente.

As informações publicadas pela imprensa e a origem de Abdulazeez fizeram com que algumas organizações islâmicas nos EUA reagissem condenando o atentado e desvinculando os fatos do Islamismo.

A Sociedade Islâmica de Chattanooga condenou o ataque "nos termos mais fortes possíveis como um ato de ódio e covardia".

Além dos quatro fuzileiros navais mortos, três pessoas ficaram feridas, uma delas em "situação muito grave", indicaram fontes do Pentágono. / EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
EUATennesseetiroteio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.