Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

FBI investiga possível ligação de 'Unabomber' com caso de envenenamento

Ted Kaczynski, preso por atentados, é suspeito de envolvimento com a morte de 7 pessoas envenenadas em 1982.

Alessandra Corrêa, BBC

19 de maio de 2011 | 21h18

O FBI (a polícia federal dos Estados Unidos) confirmou nesta quinta-feira que está investigando uma suposta ligação do criminoso conhecido como "Unabomber" com uma série de mortes por envenenamento ocorridas em 1982.

Segundo uma porta-voz do FBI, Cynthia Yates, foram requisitadas amostras de DNA de Theodor Kaczynski, o "Unabomber", para investigar seu possível envolvimento na morte de sete pessoas envenenadas após ingerirem o analgésico Tylenol.

"Como parte de nosso reexame das evidências desenvolvidas em conexão com os envenenamentos por Tylenol em 1982, nós tentamos conseguir amostras de DNA de vários indivíduos, incluindo Ted Kaczynski", disse a porta-voz, em comunicado.

"Até o momento, o senhor Kaczynski se recusou a fornecer as amostras de maneira voluntária."

Kaczynski, um matemático de 68 anos, cumpre prisão perpétua desde 1998, por ter matado três pessoas e deixado outras 23 feridas em uma série de ataques à bomba ao longo de 18 anos.

Ele ganhou o apelido de "Unabomber" depois de seus primeiros alvos terem sido universidades e companhias aéreas. A polícia americana só conseguiu prendê-lo após delação de seu irmão.

Investigações

O caso dos envenenamentos por Tylenol ocorreu na cidade americana de Chicago.

Na época, alguns dos comprimidos da marca foram envenenados com cianeto, levando o fabricante a retirar o remédio de farmácias em todo o país.

Segundo o FBI, as investigações sobre o caso continuam em andamento.

"Nenhuma prisão foi efetuada e não houve indiciamentos", afirmou a porta-voz.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.