FBI investiga se carta levava a bactéria antraz

Peritos do FBI estão investigando se uma carta entregue ao jornal The Sun foi a fonte de transmissão da bactéria antraz, conforme confirmou um oficial à rede de TV CNN. Embora a doença não seja transmitida de pessoa para pessoa, 300 funcionários que trabalham no prédio estavam passando por testes e tomando antibióicos por prevenção. O FBI informou que até agora não encontrou evidências de que a exposição à bactéria estaria relacionada a um ato criminoso ou terrorista. As investigações começaram depois da morte do fotógrafo Robert Stevens, de 63 anos, causada pela bactéria antraz. Logo depois, o germe foi encontrado no nariz de uma segunda vítima. O novo infectado seria um empregado do serviço de entregas de correspondência do mesmo prédio em que trabalhava Stevens. Ele foi identificado como Ernesto Blanco, de 73 anos, mas não desenvolveu a doença. Uma amostra nasal, entretanto, revelou que ele é portador da bactéria. O prédio de Boca Raton em que trabalhavam os dois homens foi interditado. Virgínia Oficiais da Virgínia confirmaram que autoridades de saúde estão monitorando um possível caso da bactéria Antraz no Hospital Prince William, em Manassas, na região noroeste do Estado. O hospital entrou em contato com o departamento estadual de saúde para informar que tinha um paciente com um possível diagnóstico de antraz. "Foi um dos possíveis diagnósticos identificados", disse o chefe do gabinete do governo, M. Boyd Marcus. Ele informou que uma amostra coletada da vítima, cujo nome não foi identificado, foi transportada ontem para análise em um laboratório de Richmond. A análise leva pelo menos 24 horas para ficar pronta. Segundo o governo da Virgínia, a vítima internada foi empregado ou contratado do jornal The Sun.Leia o especial

Agencia Estado,

09 Outubro 2001 | 09h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.