FBI investiga vínculo do governo saudita com o 11 de setembro

O FBI (polícia federalamericana) está investigando um possível envolvimento direto dogoverno da Arábia Saudita no fornecimento de dinheiro a doisseqüestradores-suicidas sauditas que participaram do atentado abomba de 11 de setembro contra a sede do Pentágono, emWashington. O governo de Riad tem sido acusado de não colaborar osuficiente com os investigadores americanos, informou hoje o jornal New York Times, citando um projeto da comissãobicameral do Congresso que investiga os antentados. Investigando falhas atribuídas ao FBI que poderia terevitado os atentados, o Comitê de Inteligência do Senado teriaencontrado evidências sobre a implicação da Arábia Saudita noepisódio. Um estudante saudita de San Diego, identificado comoOmar Al-Bayoumi, teria repassado dinheiro que recebiaregularmente da embaixada saudita em Washington aosseqüestradores Khalid al-Mihdhar e Nawaf al-Hazmi, que lançaramum avião contra o Pentágono. O estudante teria alugado um apartamento para osterroristas em San Diego, um ano antes dos ataques ao World Tradecenter e ao Pentágono.As autoridades do FBI não escondem uma grande dose de cautela aocomentar o caso, pois, segundo sustentam, é ainda muito cedopara acusar Riad. "É bom lembrar que a monarquia sauditacostuma ajudar cidadãos no exterior", insistiu um altofuncionário do Pentágono que acompanha o presidente George W.Bush num giro pelo Leste Europeu. Segundo ele, o FBI vemrecebendo "preciosa" colaboração do governo saudita em suasinvestigações contra o terror. O dinheiro entregue ao estudante provinha de uma contada princesa Haifa Al-Faisal no Riggs Bank, em Washington.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.