Reuters
Reuters

FBI mata homem suspeito de ligação com ataques em Boston, diz NBC

Ibragim Todashev morava em Orlando e praticava artes marciais com Tamerlan Tsarnaev

O Estado de S. Paulo,

22 de maio de 2013 | 09h42

(Atualizada às 12h45) MIAMI - Um agente do FBI atirou e matou nesta quarta-feira, 22, um morador da Flórida suspeito de ligação com o atentado à Maratona de Boston, informou a emissora NBC News. Segundo a NBC, o suspeito estava sendo interrogado e inicialmente estava cooperando, mas foi morto a tiros após atacar o agente.

O jornal Orlando Sentinel disse que um amigo do homem morto o identificou como Ibragim Todashev, de 27 anos, morador de Orlando.Khusn Taramiv, disse ao jornal que Todashev estava sendo investigado pela possível participação no atentado e conhecia Tamerlan Tsarnaev, acusado de ser um dos autores do ataque, uma vez que ambos eram lutadores de artes marciais.

O porta-voz do FBI Dave Couvertier não confirmou a identidade do homem morto nem a eventual ligação dele com o atentado em Boston. "No momento, estamos respondendo a um incidente com tiros envolvendo um agente especial do FBI", disse à Reuters por e-mail. "O incidente ocorreu em Orlando, Flórida. O agente encontrou o suspeito durante a realização de suas funções oficiais. O suspeito está morto. Nós não temos mais detalhes neste momento."

Em um comunicado, outro porta-voz do FBI, Paul Bresson, disse que o agente agiu sob ameaça iminente e foi levado ao hospital com ferimentos leves.

Tsarnaev, de 26 anos, morreu em um tiroteio com a polícia. Seu irmão Dzhokhar Tsarnaev foi encontrado escondido em um barco em Watertown, arredores de Boston, quatro dias depois das explosões que mataram três pessoas e feriram outras 264 na linha de chegada da Maratona de Boston, em 15 de abril.

Dzhokhar Tsarnaev, de 19 anos, foi baleado na garganta antes de ser preso e está recebendo tratamento em um hospital da prisão. Ele enfrenta acusações que podem levar à pena de morte se for condenado. / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.