Fechado acordo para entrada de tropas dos EUA na Turquia

O ministro da Defesa da Turquia, Vecdi Gonul, afirmou que o país e os EUA chegaram a um acordo sobre as condições militares para a entrada das tropas norte-americanas. Uma outra fonte, também do governo, disse que a conclusão do acordo sobre as condições econômicas e políticas também estava próxima. O Parlamento turco deve votar a permissão para entrada das tropas dos EUA no fim do dia. A rede de TV privada, NTV, informou que pelo entendimento militar, oficiais norte-americanos poderão armar e desarmar grupos de oposição curda, que encontram-se ao norte do Iraque, sob supervisão do exército turco. A Turquia vinha rejeitando proposta de armar os curdos, temendo que seriam encorajados a criar seu próprio Estado e inspirariam levante entre a minoria curda que encontra-se na Turquia. Antes do anúncio do Ministro, circulavam informações de que o Parlamento poderia realizar duas votações separadas: sobre a entrada do exército turco no Iraque, para garantir a segurança na fronteira e evitar levante curdo; e sobre o estabelecimento das bases militares norte-americanas na Turquia. A primeira questão parece ter apoio da maioria dos parlamentares, mas a entrada das tropas norte-americanas enfrenta resistência de parte do Partido do Desenvolvimento e Justiça, do governo. Diante do impasse dentro do partido do governo, analistas dizem que a divisão das votações poderá atrasar ainda mais a definição da posição do país em relação as tropas dos EUA. A NTV informou que o governo considera abreviar a permanência das forças norte-americanas no país, de seis meses para três meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.