Feira de Frankfurt homenageia Anna Politkovskaya

A Feira do Livro de Frankfurt homenageou hoje a jornalista russa Anna Politkovskaya, morta neste sábado em Moscou, em um ato no qual editores, tradutores e ativistas dos direitos humanos lembraram a personalidade da repórter e responsabilizaram indiretamente as autoridades russas por sua morte."Não sabemos quem puxou o gatilho, mas sabemos quem é - direta ou indiretamente - responsável pelo crime", disse seu tradutor ao norueguês e presidente do PEN Club na Noruega, Kjell-Olaf Jensen.Jensen lembrou também que a Duma (Parlamento russo) tinha declarado Politkovskaya inimiga pública número 1 do país.O presidente da organização de Direitos Humanos Memorial de Moscou, Arseni Roginski, disse que, embora não se saiba quem matou a jornalista, está claro que a assassinaram por seus artigos.Roginski afirmou que a repórter sempre foi odiada, pelo menos, por três poderes: o Kremlin, o "novo poder" na Chechênia e os neonazistas russos.O diretor da área de humanidades do Institut Ramon Llull, Carles Torres, se limitou a ler um texto de Politkovskaya no qual a jornalista, que teve que abandonar a Rússia em 2001 devido a uma tentativa de assassinato, termina dizendo que tem que voltar a seu país para continuar trabalhando.A homenagem improvisada durou apenas meia hora e foi realizada no Centro Internacional da Feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.