Feriadão chinês começa com milhões às escuras

O feriado do ano-novo chinêscomeça na quarta-feira, depois de uma semana de nevascas quedeixa milhões de pessoas sem eletricidade. Por outro lado,dezenas de milhares de pessoas conseguiram finalmente pegartrens, ônibus e aviões com destino a suas cidades. Muita gente morreu em acidentes provocados pela neve àsvésperas do feriadão, quando ocorre uma das maiores migraçõesanuais da humanidade. O caos nas estações e aeroportos é comumnesta época, mas foi agravado desta vez pelo pior inverno em umséculo no sul, centro e leste da China. Na quarta-feira, o céu esteve claro na maior parte do paíse foi suspenso o "alerta grave" contra neve e chuva que vigoroudurante três dias. No sul, as temperaturas subiram bem acima de0C. Cidades inteiras passaram mais de uma semana sem água eluz. Onze eletricistas morreram em consertos e na retirada dogelo dos postes e cabos. Houve destruição de lavouras ecriações. A remota localidade de Wengxiang, nas gélidas montanhas deGuizhou, está sem eletricidade desde o dia 14 de janeiro. Osmoradores têm de enfrentar estradas íngremes e escorregadiaspara trazer água em baldes, já que os canos haviam congelado ourachado. "À noite, é como um cobertor de escuridão", descreveu omorador Pan Zhengkai, cuja família se habituou a jantar às 16h,antes do anoitecer. "Acho que vamos ter de celebrar o ano-novono escuro. Não podemos comprar velas." Chenzhou, cidade na Província central de Hunan, a maisafetada, viveu na quarta-feira seu 12o dia sem eletricidade,depois de uma breve retomada na noite de terça. As autoridadesprometem uma restauração gradual do serviço. Cerca de mil torres e postes caíram por causa do peso dogelo e da neve, o que na prática significa a destruição de umarede que levou décadas para ser erguida, segundo a agênciaestatal de notícias Xinhua. Em todo o país, 170 dos mais de 2.000 condados sofreramapagões. Até a noite de terça, 131 condados tinhamrestabelecido total ou parcialmente a energia. O aumento dos preços do carvão, dos legumes, da carne deporco, do arroz e de outros itens agravou o drama do feriadãochinês. Mas o mar de viajantes que aguardava trens,especialmente na estação de Guanghzou (sul), finalmente sedissipou. (Reportagem adicional de Jason Subler dm Pequim)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.