Feriado é marcado por manifestações em Caracas

Partidários do governo esquerdista da Venezuela e forças da oposição fizeram comícios rivais nas ruas de Caracas nesta quarta-feira, com a tensão no país rico em petróleo ainda elevada após o resultado apertado da eleição presidencial do mês passado.

Agência Estado

01 de maio de 2013 | 15h16

O presidente Nicolás Maduro, herdeiro político de Hugo Chávez, e o líder da oposição, Henrique Capriles, que foi derrotado nas urnas, orientaram seus simpatizantes a participarem de marchas por ocasião do Dia dos Trabalhadores. Ambos os lados se esforçaram para arregimentar participantes diante da polêmica causada pela eleição, que a oposição diz ter sido fraudada pelo Partido Socialista.

Maduro foi declarado vencedor da eleição do último dia 14 por uma pequena margem de 1,5 ponto porcentual - bem menor do que se esperava - sobre Capriles. O candidato oposicionista se recusa a reconhecer a derrota, alegando que ocorreram milhares de casos de votos fraudados e de intimidação no dia da eleição. Capriles diz que vai pedir a realização de uma nova eleição à corte suprema do país e a tribunais internacionais.

Nove pessoas morreram em conflitos ocorridos entre os grupos rivais após a divulgação da votação, segundo o governo, com ambos os lados trocando acusações de estarem instigando a violência com propósitos políticos. O governo também ameaça acusar formalmente líderes oposicionistas de incitarem tumultos, enquanto os rivais afirmam que convocaram apenas manifestações pacíficas.

"O risco de confrontos violentos é maior hoje já que tanto o governo quanto a oposição planejam marchas por ocasião do Dia do Trabalhador", afirmou Casey Reckman, analista do Credit Suisse, em nota a clientes divulgada mais cedo.

Segundo Diosdado Cabello, líder da Assembleia Nacional venezuelana, o governo decidiu mudar o trajeto de sua marcha para evitar confrontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuelacomícios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.