Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Fernández dá nova cara à diplomacia argentina

Presidente prioriza dívida e busca política externa diferente de Macri e Cristina 

Daniel Galvalizi, especial para O Estado

08 de março de 2020 | 06h30

BUENOS AIRES - Em menos de 100 dias de governo, o presidente Alberto Fernández já deu muitos sinais de ter começado uma nova etapa na política externa da Argentina, com mudanças não apenas em relação ao antecessor, Mauricio Macri, mas também ao último governo de Cristina Kirchner, sua aliada e vice-presidente.

Os últimos quatro anos de kirchnerismo (2011-2015) foram marcados pelo apoio ao regime chavista venezuelano, a Rafael Correa, no Equador, e ao Partido dos Trabalhadores (PT), no Brasil. Cristina se distanciou dos EUA, tentou fechar acordos com Rússia, Irã e se aproximar da China. Durante esse período, Fernández criticava a política externa argentina e defendia a volta da direção dada por Néstor Kirchner, de quem foi chefe de gabinete. 

A diplomacia pós-Cristina não demorou muito a se desenhar. Fernández escolheu o México como o primeiro destino – quebrando a tradição do Brasil como primeira visita oficial. A segunda viagem, porém, foi a Israel, incluindo uma reunião com o premiê Binyamin Netanyahu, um duro crítico da relação de Cristina com o Irã.

No governo, Fernández lidera uma coalizão de kirchneristas, peronistas conservadores e progressistas não peronistas. Sua chegada à Casa Rosada, porém, teve mais a ver com o apoio de Cristina do que com a aliança entre esses diferentes grupos. No poder, o presidente trabalha para consolidar seu próprio estilo, navegando entre a ruptura com a diplomacia de Macri e tornando o mais evidente possível que ele não é Cristina.

Pragmatismo

A prioridade do governo de Fernández é renegociar a dívida com o FMI e com os detentores de títulos privados. Toda a estratégia econômica e diplomática é colocada a serviço dessa missão e está diretamente ligada com o esforço de passar uma imagem de uma nova era pós-Cristina.

“As duas grandes diferenças entre a política externa de Fernández e Cristina: a tomada de decisões, que antes era homogênea e tinha um perfil ideológico muito claro, agora ganhou uma visão mais pragmática e heterogênea”, disse ao Estado Esteban Actis, professor da Universidade Nacional de Rosario. “Outra diferença é o contexto, em razão da economia atual, mais fragilizada, e do cenário global muito mais convulsionado.” 

A Venezuela é um dos temas mais quentes da região e um assunto no qual Fernández rompe com ambos, Macri e Cristina. Segundo Actis, a diferença principal é que agora o governo argentino vem condenando sistematicamente as violações de direitos humanos e o autoritarismo de Nicolás Maduro. “A Argentina vem tentando se descolar das posições mais radicais da esquerda latino-americana e adotar uma política que agrade às duas alas do governo. Fernández ocupa o espaço deixado pela Frente Ampla, do Uruguai (que acaba de perder as eleições)”, afirma.

Para Actis, a relação com os EUA também é “totalmente diferente” agora, porque o presidente sabe que, sem a ajuda americana, será muito difícil obter um alívio da dívida. “Como maneira de resolver conflitos, Cristina aprofundava as contradições, dividia lados entre amigos e inimigos”, afirma Actis. “Fernández constrói pontes que podem se chocar com a truculência do discurso de Cristina.”

Dívida

Um exemplo foram as recentes negociações da dívida. No auge da tensão, Cristina exigiu publicamente que o FMI cancelasse a dívida argentina – e recebeu como resposta que não seria possível, em razão dos estatutos da instituição.

Fernández tem bons relacionamentos em Washington desde que era chefe de gabinete de Néstor. Quando decidiu viajar para Israel, segundo Acris, enviou uma mensagem a Donald Trump: a política externa argentina tem uma nova marca.

O novo chanceler, Felipe Solá, que se reuniu recentemente com o presidente Jair Bolsonaro, não respondeu aos pedidos de entrevista. Mas, no Palácio San Martín, sede da chancelaria argentina, existe um excesso de precaução para evitar ruídos que dificultem as negociações sobre a dívida.

Fontes próximas de Solá, no entanto, admitiram à reportagem que a nova política externa quer derrubar o mito do peronismo como “movimento antieuropeu e antiamericano” e passar a segurança de que a Argentina agora apoia “uma visão mais crítica sobre a Venezuela”.

Nos bastidores, os diplomatas argentinos confirmam que a prioridade do governo argentino é a reestruturação da dívida e garantem que Fernández quer que o país retorne à sua posição tradicional de não interferência em assuntos internos de outros países. 

De acordo com fontes do governo, a nova diplomacia argentina encontrou no papa Francisco um parceiro tático. A terceira viagem oficial de Fernández foi para o Vaticano. Jorge Bergoglio é próximo do peronismo e tido como uma “referência ética e moral”. 

Durante anos, Francisco teve em Cristina uma fiel aliada para bloquear a legalização do aborto. Agora, isso também mudou, já que Fernández já anunciou que apoiará a elaboração de uma lei que regularize a interrupção da gravidez na Argentina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.