Ferrari interrompe trabalho e seleção cancela amistoso

Tremor faz equipe fechar fábrica em Maranello; atacante italiano relata momentos de terror dentro de elevador

ROMA, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2012 | 03h07

O terremoto que atingiu o norte da Itália ontem afetou a rotina esportiva do país. O tremor interrompeu os trabalhos da Ferrari em sua fábrica em Maranello e assustou os jogadores da seleção italiana em Parma. A federação de futebol cancelou um amistoso contra Luxemburgo.

O piloto espanhol Fernando Alonso, que lidera o mundial de pilotos, confirmou em sua conta no Twitter que o terremoto deixou todos os funcionários da Ferrari em estado de alerta. Os testes para o Grande Prêmio do Canadá e todas atividades na fábrica da equipe, que fica a 40 quilômetros do epicentro, foram paralisadas e os mecânicos foram dispensados.

"Hoje levantamos com o terremoto aqui, no norte da Itália. Em Maranello, tudo ok. Tomara que seja assim no restante das cidades. Tremores continuam e decidiram parar as atividades da fábrica. Todos (foram) para casa", escreveu Alonso.

Os prédios foram esvaziados e todos os trabalhos também foram suspensos nas fábricas da Maserati, em Modena, da Ducati, em Bologna, e da Lamborghini, em Sant'Agata Bolognese, que ficará fechada hoje e só será reaberta amanhã.

"A Ducati hoje está fechada por causa do terremoto. As pessoas estão bem, nós estamos analisando a estrutura da fábrica. Nós nos sentimos muito próximos a todas as famílias e pessoas que vivem perto daqui neste momento difícil", disse a empresa em comunicado.

Susto no elevador. Em Parma, os jogadores da Azzurra também levaram um susto. A seleção prepara-se para disputar a Eurocopa, que começa na semana que vem na Ucrânia e na Polônia. A maioria dos jogadores se encaminhava para almoçar no hotel em que estão concentrados quando sentiram o terremoto.

Antonio Di Natale foi quem sofreu o maior susto, já que estava dentro de um elevador no momento do terremoto. O atacante da Udinese, segundo seus companheiros, não chegou a ficar preso, mas saiu bastante tonto do local.

Em solidariedade às vítimas, os jogadores da Itália pediram à federação que cancelasse o amistoso contra Luxemburgo, que seria jogado à noite em Parma. "Temos agora outra prioridade", disse o presidente da federação Giancarlo Abete.

De acordo com autoridades italianas, a decisão foi tomada porque havia o temor de que novos tremores ocorressem durante a partida, o que poderia provocar pânico nas arquibancadas. "É impossível entrar em campo com essa situação", disse o goleiro Gianluigi Buffon, um dos líderes do time. / REUTERS, AFP e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.