Festas de Ano Novo matam dois e ferem 561 na Itália

As comemorações do Réveillon deixaram pelo menos dois mortos e 561 feridos na Itália, na maioria dos casos pelo uso de rojões e fogos de artifício artesanais, que explodiram ferindo as pessoas que os manuseavam. Em Roma, um homem que estourava explosivos a partir da sacada do seu apartamento morreu quando o dispositivo explodiu, ferindo outros moradores que estavam perto, incluindo três crianças, informou a agência Ansa da Itália.

AE, Agência Estado

01 de janeiro de 2012 | 15h23

Em Nápoles, um homem foi morto por um tiro na frente do seu restaurante, mas a polícia ainda não sabe se o disparo foi acidental, de um popular que comemorava a chegada do Ano Novo, ou um ataque da Máfia. A polícia condenou o hábito "bárbaro" de alguns moradores de Torre Annunziata e outros subúrbios napolitanos, de comemorarem a chegada do Ano Novo disparando revólveres para o alto.

O prefeito de Roma, Gianni Alemanno, disse neste domingo ao canal de televisão TG24 da Sky que o homem morto pela explosão do petardo, de 31 anos, era um conhecido comerciante de fogos de artifício ilegais. A explosão destruiu o pequeno apartamento onde o homem vivia. Um menino ficou gravemente ferido na explosão.

"Entre os feridos, 76 têm menos de doze anos" disse a polícia citada pela Ansa. Em Palermo, na Sicília, um rojão clandestino disparado por um jovem de 14 anos explodiu e arrancou imediatamente três dedos da mão e destruiu a vista direita do adolescente, que foi internado em estado grave.

A polícia, ao redor da Itália, disse que dezenas de pessoas ficaram feridas pelo manuseio incorreto de fogos de artifício, incluídas várias que perderam dedos ou olhos.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.