FHC acha difícil antecipar criação da Alca

O presidente Fernando Henrique Cardoso disse há pouco, em entrevista coletiva em Washington, que acha muito difícil que a Alca entre em vigor antes de 2005. Isso porque, segundo o presidente, o caminho a ser percorrido é muito difícil e há temas cuja negociação é complexa, como a lei de antidumping e os subsídios. "E não é só uma negociaçao de governo a governo, mas de país a país, pois a discussão deverá incluir empresários e consumidores. A sociedade tem de estar envolvida nessa negociação. É preciso que haja um clima no país, ou seja, que as pessoas estejam de acordo com a negociação da Alca", afirmou Fernando Henrique.Ele lembrou que foi assim que ocorreu com o Nafta (Área de Livre Comércio da América do Norte), quando os EUA precisaram de tempo para convencer o Congresso e a sociedade que o bloco comercial era benéfico para os EUA. O presidente reafirmou que a data não é, portanto, o tema principal mas lembrou que o compromisso da Alca é para 2005 e o Brasil não pretende fugir desse compromisso.Fernando Henrique disse que a conversa com Bush será ampla e a Alca será apenas um dos temas. "Vamos discutir pontos comuns como a violência nas cidades, drogas e lavagem de dinheiro, além de questões de ordem internacional, como a reforma da ONU", afirmou o presidente. Ele disse que pelo fato de o Brasil estar negociando acordo bilaterais com o México e o Chile e também do Mercosul com a União Européia é preciso não criar um clima que apenas as negociações com os EUA são difíceis. "A União Européia é até mais protecionista que os EUA", afirmou. O presidente disse que a postura geral do Brasil é negociar para abrir e ter maior acesso a mercados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.