FHC e Bush falam em cooperação comercial

Os presidentes do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, e dos Estados Unidos, George W. Bush, fizeram um pronunciamento conjunto no Salão Oval da Casa Branca, destacando principalmente questões comerciais. Bush disse que está confiante em que o Brasil e os EUA poderão trabalhar juntos para resolver as diferenças que existem hoje em alguns temas, como o comércio. Bush apresentou o presidente FHC como amigo e disse que os dois têm muito em comum. Bush afirmou que o Brasil é uma vasta nação e uma democracia, além de ter um grande potencial econômico. "Tivemos uma conversa franca sobre vários temas e não tenho dúvida de que vamos ter uma boa relação durante vários anos e que a cooperação conjunta dos dois países vai beneficiar a população dos dois países", afirmou Bush. Ele disse ainda que os EUA investem muito dinheiro no Brasil, que é um lugar seguro para se investir.Fernando Henrique, falando primeiro em inglês e depois em português, disse que ficou satisfeito com a conversa que teve com Bush. Ressaltou que já conhecia o pai do presidente norte-americano. Referindo-se à brincadeira de que Bush olharia nos olhos dele, FHC tirou os óculos afirmando que eles olharam um no olho do outro e que ele (FHC) viu boa vontade da parte de Bush. FHC também ressaltou que os dois países trabalharão juntos para promover prosperidade em todo o mundo, mas não apenas nas Américas. Disse ter confiança em que os dois países vão trabalhar para resolver não apenas temas econômicos, mas também problemas de segurança. Após a declaração conjunta, os dois presidentes ouviram uma pergunta da imprensa norte-americana e outra da brasileira. A imprensa norte-americana perguntou a Bush se os EUA apoiariam a prisão de Slobodan Milosevic, ex-presidente da Iugoslávia. O presidente norte-americano respondeu que os EUA farão o possível para cooperar para que a prisão seja feita.A imprensa brasileira perguntou aos dois presidentes o que eles iriam fazer para resolver as diferenças dos dois países em relação ao protecionismo na área comercial. Bush disse que estava confiante em que os dois países trabalharão juntos para promover o livre comércio e que iriam resolver qualquer diferença que exista. Ressaltou que o mais importante é o espírito de cooperação entre os dois países.FHC respondeu que as diferenças ao longo do tempo são normais, tanto quanto é normal o presidente norte-americano dizer que o interesse dos EUA vem em primeiro lugar, como ele, FHC, dizer que o interesse do Brasil também está em primeiro lugar. As questões relacionadas ao comércio estão sendo discutidas em vários frentes, disse FHC, e as questões ainda não resolvidas são específicas, afirmou. FHC disse que os dois países precisam trabalhar para resolver esses problemas localizados.Estavam presentes ao Salão Oval Robert Zoellick, representante comercial dos EUA; Colin Powell, secretário de Estado, e Condoleezza Rice, conselheira de Segurança Nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.