Darnella Frazier / Facebook/Darnella Frazier / AFP
Darnella Frazier / Facebook/Darnella Frazier / AFP

Fiança de ex-policial acusado de matar George Floyd nos EUA é fixada em US$ 1,2 milhão

Valor foi ampliado em US$ 250 mil após Promotoria afirmar que gravidade do caso e comoção pública poderiam levar o ex-agente a tentar deixar a prisão

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2020 | 16h43

WASHINGTON - A fiança para o ex-policial Derek Chauvin, acusado de matar o afro-americano George Floyd há duas semanas, foi fixada nesta segunda-feira, 8, em US$ 1,2 milhão. Chauvin compareceu pela primeira vez ao tribunal na quinta-feira 4.

Após uma breve audiência de videoconferência da prisão onde o policial está detido, a juíza Jeannice Reding, do condado de Hennepin, Minneapolis, agendou o próximo comparecimento de Chauvin para o dia 29 de junho.

Chauvin é acusado de homicídio em segundo grau por ter se ajoelhado no pescoço de Floyd por quase nove minutos durante uma abordagem policial no dia 25 de maio por uma denúncia de suposto uso de uma nota falsa. A fiança foi aumentada em US$ 250 mil nesta segunda após o procurador assistente de Minnesota Matthew Frank argumentar que "a gravidade das acusações" e a comoção pública tornariam mais provável uma tentativa de sair da prisão. 

Para Entender

O caso George Floyd

Homem negro de 46 anos foi morto por policial branco durante abordagem; desencadeados pelo assassinato, protestos contra o racismo e a violência policial eclodiram nos EUA e no mundo

Atualmente detido na prisão estadual de segurança máxima de Minnesota, o ex-agente de 44 anos foi filmado pressionando o joelho contra o pescoço de Floyd até que a vítima parasse de respirar. 

A morte de Floyd desencadeou uma série de protestos antirracismo e contra a violência policial em todo o país, que já duram duas semanas. As manifestações também se espalharam para outros países. Também teve início uma onda de críticas contra o governo de Donald Trump, por sua estratégia de mão dura para encarar a crise.

Congresso

Parlamentares democratas se ajoelharam nesta segunda-feira no Congresso dos EUA para prestar 8:46 minutos de silêncio em homenagem a Floyd e outros negros americanos "que perderam a vida injustamente" pela violência de policiais brancos, antes de apresentar uma proposta de reforma orgânica da Polícia.

A presidente democrata do Congresso, Nancy Pelosi, o líder da minoria de seu partido no Senado, Chuck Schumer, e outros 20 parlamentares opositores, incluindo vários representantes negros, se reuniram no "Salão da Emancipação", assim nomeado em homenagem aos escravos que trabalharam na construção da sede legislativa em Washington, o Capitólio, no século 18.

A duração da homenagem não foi casual. Este foi o tempo que um policial branco passou com seus joelhos apoiados no pescoço de Floyd. / AFP e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.