Fidel: ataque ao Irã pode provocar guerra nuclear

O líder cubano Fidel Castro, de 84 anos, gravou mais uma mensagem alertando a comunidade internacional sobre o risco "iminente" de eclodir uma guerra nuclear mundial, caso Israel e os Estados Unidos desfechem um ataque militar contra o Irã. A mensagem de Fidel foi postada no dia 15 no website Cubadebate (www.cubadebate.cu).

ANDRÉ LACHINI, Agência Estado

21 de outubro de 2010 | 18h57

O discurso, proferido em espanhol, foi legendado e traduzido em sete idiomas (inglês, francês, italiano, português, alemão, russo e árabe), e é uma das primeiras vezes que Fidel grava mensagem de vídeo e o governo cubano divulga discurso do líder na internet. Vestindo uma camisa xadrez, Fidel aparenta estar com a saúde melhor enquanto lê o discurso.

"Hoje existe o risco iminente de uma guerra com o uso deste tipo de armas e não tenho nenhuma dúvida de que um ataque dos Estados Unidos e de Israel contra a República Islâmica do Irã iria virar, inevitavelmente, uma guerra nuclear global", disse Fidel.

O ex-presidente lembra, no começo do discurso, o cientista Albert Einstein, o qual declarou que uma guerra nuclear significaria o final da humanidade. "O próprio Einstein afirmou textualmente: ''não sei quais armas serão usadas na III Guerra Mundial, mas na IV Guerra Mundial serão usados paus e pedras''. Nós sabemos o que ele queria dizer e ele tinha completamente a razão, mas não haverá mais ninguém que poderá usar paus e pedras" se ocorrer uma guerra nuclear, disse Fidel.

"Em uma guerra nuclear, o dano colateral seria a vida da humanidade", afirma Fidel. Essa mensagem foi pelo menos a terceira em que o ex-presidente cubano se manifesta recentemente sobre o risco de uma guerra nuclear provocada por um ataque militar contra o Irã. Em entrevistas exibidas em 4 de julho e 8 de agosto na Telesur, da Venezuela, Fidel alertou sobre o risco de uma nova guerra em larga escala no Oriente Médio envolvendo o Irã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.