Fidel Castro acusa EUA de "analfabetismo político"

O líder cubano Fidel Castro afirmou hoje que os dirigentes norte-americanos são "analfabetos políticos" e acusou Washington de se apresentar como o "campeão dos direitos humanos e da democracia" depois de ter incentivado governos ditatoriais na América Latina. "(Os dirigentes dos EUA) não aprendem, não lêem as lições da História, (demonstram) analfabetismo político, analfabetismo histórico; falo principalmente da máquina que dirige esse império", ressaltou Fidel ao referir-se aos políticos americanos. Fidel esclareceu, entretanto: "não direi que são todos os dirigentes - há latinos, afro-americanos e brancos que têm consciência e foram enganados durante anos com veneno contra Cuba". O líder cubano falou durante 2 horas e 45 minutos perante uma delegação do estado mexicano de Zacatecas que lhe outorgou o doutorado "honoris causa" por volta da meia-noite do domingo no Palácio das Convenções em Havana. Em uma inusitada cerimônia, Fidel, vestindo terno azul-marinho, camisa branca e gravata vermelha, referiu-se ao inimigo histórico dos 42 anos de revolução cubana. "Falam da revolução cubana e não sabem que, em Cuba, as crianças, jovens e adultos são os que falam da era pós-Castro e estão enviando uma mensagem bem clara: não se enganem conosco, (pois) encontrarão uma couraça invulnerável no espírito revolucionário de todos os cubanos", acrescentou Fidel. O presidente observou ainda que Cuba pode resistir às pressões políticas e à guerra econômica dos EUA por mais 50 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.