Fidel Castro é o centro das atenções da mídia cubana

Mesmo tendo passado por uma cirurgia abdominal e nomeado seu irmão como presidente interino de Cuba, Fidel Castro aparentemente ainda é o centro das atenções de toda a mídia cubana, enquanto a polícia e grupos de civis patrulham vizinhanças marcadas por agitações civis no passado. Ainda assim, mesmo depois de quase 24 horas desde o último boletim sobre a saúde do líder cubano, nenhuma nova informação sobre o estado de Fidel foi divulgada.Raúl Castro, por sua vez, continua sem aparecer em público dois dias após ser anunciada a mudança temporária da liderança cubana, e o foco da imprensa estatal continua sendo o velho líder e sua recuperação, situação singular que cria incertezas sobre quem está realmente no comando da ilha. "A revolução continuará enquanto Fidel se recupera", proclamou o Juventud Rebelde, o jornal da juventude comunista. "Fidel, melhore" é a manchete do diário do Partido Comunista Granma.Em entrevista ao programa de rádio independente nova-iorquino Democracy Now! (democracia já, em inglês), o porta-voz do Parlamento cubano, Raúl Alarcon, disse nesta quarta-feira que Fidel está "muito vivo e muito alerta".Tirando essas e outras declarações, não houve nenhuma nova informação sobre as condições de saúde de Fidel. A televisão estatal cubana não transmitiu nenhuma nova imagem dos irmãos Castro desde que a mudança de poder foi anunciada.Ainda não ficou claro a causa da não aparição de Raúl Castro. Apesar de Fidel estar relutante em abrir mão, mesmo que temporariamente, do seu governo de 47 anos ao irmão, a mídia estatal pode também estar enfocando apenas no velho líder por respeito ou por hábito. Raúl deve estar mantendo a discrição pelos mesmos motivos. O último pronunciamento atribuído a Fidel, uma carta, foi transmitido na noite de terça-feira, em um esforço para garantir à população cubana que ele está bem. A carta dizia que sua saúde era estável e que a ilha estava salva de um ataque potencial. Mesmo assim, aparentemente houve um aumento do policiamento em alguns bairros e nas áreas costeiras onde já ocorreram distúrbios civis. Os Comitês para a Defesa da Revolução, grupos governamentais de vigilância de vizinhanças, convocaram patrulhas noturnas de voluntários. As Brigadas para Ação Rápida, grupos de civis pró-governo usados no passado para conter agitações civis, foram postas em alerta. Muitos apoiadores de Castro disseram nesta quarta-feira que o regime comunista da ilha deve permanecer intacto, não importa o que ocorra com o único governante que a maioria dos cubanos conhece. "A revolução tem de continuar", disse o aposentado Santos Perez. "Fidel é um líder, mas há muitos líderes aqui, como o seu irmão."Em Washington, senadores republicanos começaram a criar leis que implementam um plano feito pela administração Bush para dar US$ 80 milhões por mais de dois anos a dissidentes cubanos que lutam por mudanças democráticas na ilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.