Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Fidel Castro está saudável, garante parlamentar cubano

O presidente de Cuba Fidel Castro não sofre do mal de Parkinson, nem de Alzheimer, e goza de excelente saúde, afirmou Ricardo Alarcón, presidente da Assembléia Nacional de Cuba. "Ele está muito forte e saudável, bem mais do que se possa imaginar. Não sofre de nenhuma dessas doenças que, de vez em quando, dizem que ele tem", disse Alarcón.Alarcón participou via satélite da convenção anual da Associação Nacional de Jornalistas Hispânicos (NAHJ, na sigla em inglês), que está sendo realizada em Fort Lauderdale, com a presença de mais de 2 mil jornalistas.Antes da apresentação de Alarcón, mais de 20 integrantes do grupo do exílio cubano Mães e Mulheres Anti-Repressão se manifestaram, vestidas de preto, a favor da libertação de 24 jornalistas cubanos, que se encontram presos.O grupo citou a condição crítica de Guillermo Fariñas, diretor da agência independente "Cubanacán Press", que está em greve de fome há 134 dias reivindicando o livre acesso à internet em Cuba. Alarcón respondeu a perguntas da cubano-americana Mirta Ojito, colaboradora do jornal "The New York Times", que atuou como moderadora, e de outros jornalistas.DissidentesSobre os 24 jornalistas presos em Cuba, Alarcón disse que "podem ser repórteres, mas não independentes", porque, acrescentou, "recebem dinheiro de países estrangeiros para fazer propaganda contra Cuba". Alguns dos jornalistas independentes fazem parte de um grupo de 75 dissidentes que foram presos em março de 2003, numa operação oficial conhecida como Primavera Negra. No caso de Fariñas, Alarcón negou que o governo proíba o acesso à internet e atribuiu as dificuldades dos cubanos para usar a rede ao embargo econômico mantido pelos EUA há 45 anos.Alarcón foi criticado por organizações de cubanos no exílio, como a Fundação Nacional Cubano-Americana (FNCA), com sede em Miami. Alfredo Mesa, seu diretor-executivo, considerou contraditório que Alarcón participasse de uma convenção sobre a liberdade de expressão e de imprensa, negadas em Cuba.A convenção da NAHJ se realiza entre os dias 14 e 17 de junho e seu programa inclui um debate sobre "As eleições na América Latina - tendência à esquerda". Outro painel intitulado "Ameaças, prisão, morte e silêncio" vai debater os riscos dos jornalistas para exercer a profissão na América Latina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.