Fidel Castro reaparece em discurso na TV em Cuba

O líder cubano Fidel Castro fez, nesta noite, seu primeiro pronunciamento televisionado desde que se viu obrigado, quatro anos atrás, a transferir os poderes do Estado para seu irmão Raúl por causa de um grave problema de saúde. Fidel, atualmente com 83 anos, participou do programa Mesa Redonda, transmitido por diversas emissoras estatais de rádio e televisão em Cuba.

AE-AP, Agência Estado

12 de julho de 2010 | 21h06

Em uma entrevista aparentemente gravada, ele falou - lentamente, mas com fluidez - sobre o risco de conflitos no Oriente Médio e na Península da Coreia. Vestido com um abrigo esportivo azul e preto e uma camisa xadrez, Fidel parecia relaxado. O programa foi gravado em uma espécie de escritório. A aparição televisiva do líder cubano coincide um momento de apreensão em Cuba, dias depois de Raúl prometer soltar 52 presos políticos.

Ontem, sites cubanos haviam divulgado fotos da primeira aparição pública de Fidel desde 2006 - uma visita feita ao Centro Nacional de Investigações Científicas (CNIC) na quarta-feira. Após 47 anos à frente do governo cubano, Fidel submeteu-se a uma complexa cirurgia no intestino em 2006. Em 2008, ele anunciou que não se candidataria a um novo mandato de presidente, transferindo definitivamente o cargo para Raúl.

Desde então, o líder cubano não fez nenhum discurso na TV. Ele manteve-se politicamente ativo escrevendo colunas no Granma, jornal oficial do Partido Comunista cubano. Em suas últimas colunas, Fidel advertiu para as supostas intenções da administração do presidente norte-americano Barack Obama de atacar o Irã e desatar um conflito nuclear na região.

Antes de adoecer, Fidel costumava aparecer com frequência no Mesa Redonda. O programa foi criado durante a disputa entre exilados em Miami e cubanos na ilha pela guarda do garoto Elián González, que naufragou com a mãe a caminho da Flórida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.