Fidel Castro reaparece em entrevista à TV venezuelana

Nova aparição do ex-líder cubano desmentem rumores da internet sobre sua morte

BBC Brasil, BBC

08 Setembro 2011 | 18h27

Fotografia da entrevista divulgada pela emissora venezuelana

 

CARACAS - O ex-líder cubano Fidel Castro deu uma entrevista à TV venezuelana, em sua primeira aparição pública após semanas de silêncio e rumores sobre sua saúde, inclusive com especulações de que havia morrido. Fidel falou ao programa de entrevistas La Hojilla, da emissora Venezolana de Televisión, que divulgou nesta quitna-feira, 8, fotografias da entrevista.

O ex-lider cubano demonstrou estar com boa disposição durante a conversa com o jornalista Mario Silva. A entrevista foi realizada na última terça-feira, dia 6, e ainda não foi levada ao ar pela emissora, simpática ao governo do presidente venezuelano, Hugo Chávez.

Ao anunciar a entrevista, o apresentador venezuelano foi irônico com os rumores sobre o suposto agravamento da saúde de Fidel, e até de sua possível morte. "Aos que estão neste momento felizes e acreditando que o comandante Fidel teve um derrame cerebral, lamento informar-lhes que ele está vivo", disse. Especulações sobre a possível morte de Fidel se espalharam por sites de relacionamento na última semana.

'Boa saúde'

Os rumores sobre o quadro clínico de Fidel fizeram sua sobrinha, Mariela Castro, filha do atual presidente, Raúl Castro, vir a público dizer que o tio estava vivo e "gozando de muito boa saúde". Em 31 de julho de 2006, Fidel surpreendeu o mundo ao deixar temporariamente o poder por motivos de saúde.

Por meses, sua saúde foi segredo de Estado, com rumores sobre sua morte. Em fevereiro de 2008, a Assembleia Nacional de Cuba aprovou a aposentadoria de Fidel, que oficialmente passou o poder a seu irmão, Raúl.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
Fidel Castro Venezuela Cuba América Latina

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.