EFE
EFE

Fidel Castro reaparece em público para homenagear heroína revolucionária

Vilma Espin deixou uma vida confortável para lutar ao lado de Fidel contra o governo de Fulgêncio Batista, apoiado pelos EUA, e então casou com Raúl, atual presidente cubano

O Estado de S. Paulo

08 Abril 2016 | 09h13

HAVANA - O ex-presidente cubano Fidel Castro, de 89 anos, fez uma rara aparição fora de sua casa na quinta-feira, visitando uma escola para homenagear o aniversário de uma heroína revolucionária morta.

Imagens da TV estatal mostraram Fidel, de barba grisalha, sentado em uma mesa e conversando com alunos e professores na escola Vilma Espín, nomeada em homenagem à cunhada dele que morreu em 2007, aos 77 anos. "Tenho certeza que em um dia como este, Vilma estaria feliz", disse o líder da revolução cubana de 1959. Ele falou sobre temas relacionados com a educação, saúde e alimentação.

O ex-presidente cubano qualificou de "privilégio" poder contar em Cuba com escolas como a que visitou, já que esse tipo de centro "vai se aproximando de uma espécie de sonho". "Eu tentava lembrar se conhecia algum lugar onde existisse uma escola como esta. Não aparece esse lugar", comentou.

Vilma Espin deixou uma vida confortável para lutar ao lado de Fidel contra o governo de Fulgêncio Batista, apoiado pelos EUA, e então casou com Raúl Castro, atual presidente cubano.

"Todos que morrem lutando pela revolução deixam suas energias pelo caminho, deixam esforços e lutas", disse Fidel. Seu aniversário de 90 anos é em agosto.

Esta é a primeira aparição pública de Fidel Castro desde 9 de janeiro de 2014, quando esteve na inauguração do estúdio de arte do artista plástico Alexis Leyva "Kcho". Sua mais recente aparição pública ocorre uma semana após fazer duras críticas à visita recente do presidente americano, Barack Obama, à ilha comunista.

Fidel se retirou do poder no ano de 2006 em consequência de uma grave doença e entregou o cargo para seu irmão mais novo, Raúl, em 2008. /REUTERS e EFE

Mais conteúdo sobre:
Cuba Fidel Castro homenagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.