Fidel condena atentado nos EUA e pede reflexão

O ex-presidente de Cuba, Fidel Castro, disse hoje que muitos norte-americanos que seguem com atenção o ataque contra a deputada democrata Gabrielle Giffords desconhecem a violência que os EUA provocam na América Latina através da demanda por drogas e do tráfico de armas. Fidel deplorou a violência do ataque, classificando como "atroz" a matança.

AE, Agência Estado

10 de janeiro de 2011 | 16h12

"O dinheiro e as mercadorias podem cruzar livremente as fronteiras. Já os seres humanos, não podem. As drogas e armas cruzam sem cessar as fronteiras em uma e outra direção. Os EUA são os maiores consumidores de drogas do mundo e, também, os maiores fornecedores de armas", escreveu Fidel em um artigo publicado hoje.

"Mesmo aqueles que não compartilham da política e filosofia da administração Obama desejam sinceramente que nenhuma criança, juiz, legislador e político dos EUA morra de uma maneira tão absurda e injustificável", disse o ex-governante de Cuba. O artigo teve o título de "Um Ato Atroz".

No sábado, Jared Loughner abriu fogo em um evento político promovido por Gabrielle Giffords em Tucson, no Arizona. Ele matou seis pessoas e feriu outras 14, dentre elas a deputada, que levou um tiro na cabeça e permanece internada em estado grave. Gabrielle criticava duramente a lei anti-imigração do Arizona, apoiada pelos republicanos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAatentadodeputadaCubaFidel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.