Fidel critica medidas da UE contra Cuba

O presidente cubano, Fidel Castro, disse nesta quarta-feira que Cuba não admitirá que os países da União Européia (UE) apliquem medidas contra o seu governo. Durante uma entrevista veiculada pela TV e rádio cubanos, Fidel chamou os primeiros-ministros espanhol, José María Aznar, e italiano, Silvio Berlusconi, de ?fascistas e bandidos?. Nesta semana, a UE decidiu limitar suas visitas governamentais a Cuba, reduzir a participação em atos culturais bilaterais e aumentar as relações com os dissidentes cubanos que protestam contra o onda repressiva do governo de Fidel, ocorrida em abril.Fidel declarou que o documento emitido pela UE deve ter sido escrito em estado de embriaguez ?eurocentrista? e criticou os 15 membros do bloco econômico europeu que assinaram o documento. O líder cubano ainda ameaçou boicotar os embaixadores europeu em Havana caso as embaixadas européias da capital cubana convidem os dissidentes cubanos. Nesta quinta-feira, um protesto diante das embaixadas dos países da UE está marcado. O Ministério do Trabalho cubano decretou feriado em Havana para aumentar a adesão à passeata.Castro afirmou ainda que nem todos os países da UE pensam desta forma - contra o governo cubano, entre eles Alemanha, França, Bélgica e Holanda, nações que, segundo Fidel, ?sentiram na própria pele o fascismo?. No final do discurso, Fidel voltou a atacar os Estados Unidos. ?Quem assinou a declaração está cooperando com a política nazifascista do governo dos EUA. No mês passado, o presidente cubano acusou os EUA de estarem planejando uma ação militar para invadir a ilha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.