Fidel diz que Obama se equivocará se persistir com bloqueio a Cuba

O líder cubano também comentou em seu artigo sobre o furacão "Paloma"

EFE,

08 de novembro de 2008 | 02h56

O líder cubano Fidel Castro afirmou nesta sexta-feira que se os Estados Unidos, que acabam de escolher o democrata Barack Obama como próximo presidente, mantiverem o embargo comercial que impõem à ilha desde 1962 seguirão com uma "política inútil" por mais meio século. "Há quem ainda sonhe em colocar Cuba de joelhos, mostrando o criminoso bloqueio como instrumento de política externa dos Estados Unidos contra nossa pátria", disse o ex-presidente em um novo artigo divulgado pela imprensa oficial. "Se esse país (EUA) voltar a cair em tal erro, poderá permanecer por mais meio século aplicando essa política inútil com relação a Cuba, caso o império consiga durar tanto tempo", assegurou Fidel, de 82 anos, sem mencionar o nome do novo governante americano. O líder cubano também comentou em seu artigo sobre o furacão "Paloma", que se aproxima de Cuba, e disse que rejeitará novamente a ajuda oferecida pelo presidente em fim de mandato dos Estados Unidos, George W. Bush. "Novamente teremos uma conduta digna se o chefe do império que foi o principal impulsor do bloqueio genocida contra nossa pátria oferecer outra uma vez piedosa ajuda. Com segurança ela será rejeitada", afirmou. "O que nosso povo exige é o fim do bloqueio contra Cuba, e agora mais que nunca, quando a exigência é unânime em toda a comunidade internacional, em meio à crise financeira que castiga todos os países do planeta, desenvolvidos ou em desenvolvimento", acrescentou Fidel.

Tudo o que sabemos sobre:
CUBAOBAMA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.