Fidel diz que venceu campanha por socialismo "intocável"

Demonstrando seu poder de mobilização do povo cubano, o governo do presidente Fidel Castro proclamou nesta terça-feira uma esmagadora vitória ao conseguir que 80% dos 11 milhões de cubanos assinassem um documento declarando o regime socialista como "intocável". A campanha de abaixo-assinado, iniciada no sábado, se encerrou ao meio-dia desta terça-feira, e a primeira parte dos resultados oficiais será anunciada nesta terça à noite. Dado o volume de assinaturas, está sendo dada como certa a aprovação, pela Assembléia Nacional (o Parlamento cubano), da inclusão, na Carta Magna de 1976, de uma cláusula dizendo expressamente que "o regime econômico, político e social consagrado na Constituição é intocável". O jornal oficial Granma abriu sua primeira página, destacando que até segunda-feira à tarde já havia 8,01 milhões de assinaturas no documento - o que representa "a mais esmagadora derrrota interna e externa sofrida pelo imperialismo em Cuba e em qualquer outra parte do mundo", estampou o órgão do Partido Comunista de Cuba.O governo de Fidel Castro nega que a inciativa de modificar a Constituição seja uma resposta a uma iniciativa de opositores de colher assinaturas para convocar um referendo sobre liberdades civis, e diz que é uma resposta aos chamados do presidente americano, George W. Bush, para que a ilha realize eleições livres. A coleta de assinaturas, que incluiu todos os cubanos maiores de 16 anos - idade legal para votar na ilha - em mais de 120.000 pontos de Cuba foi feita pelos Comitês de Defesa da Revolução, estruturas de massa que literalmente organizam e dividem o país quarteirão por quarteirão. Os membros da oposição que promoveram o pedido de referendo sobre liberdades civis ainda esperam uma resposta oficial à sua solicitação, enquanto alertam sobre os graves riscos da alteração constitucional, que poderá bloquear qualquer iniciativa de reforma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.