Fidel está ´alerta´, diz presidente do Parlamento

O presidente de Cuba, Fidel Castro, está ?muito vivo e muito alerta? após a operação que sofreu no intestino, segundo o presidente do Parlamento cubano.Ricardo Alarcón disse a uma rádio americana que havia encontrado com Fidel na terça-feira e discutido com o líder o impacto de seus problemas de saúde para o país.Fidel passou o poder temporariamente ao seu irmão, Raúl, ministro da Defesa, na segunda-feira. Esta foi a primeira vez desde 1959 que Fidel deixa o poder.Nenhum dos dois foi visto em público desde então.Correspondentes dizem que a situação em Cuba é calma, mas que a segurança foi aumentada.A Casa Branca, por sua vez, advertiu os cubanos a não tentarem cruzar o mar entre a ilha e os Estados Unidos."Falante, como sempre"Em sua entrevista à rádio Democracy Now, Alarcón disse ter falado com o presidente, de 79 anos, na segunda e na terça-feira.?Ele está perfeitamente consciente, falante como sempre?, disse.?Falamos por pouco mais de meia hora sobre muitas coisas que estão acontecendo no mundo e sobre o impacto que seu anúncio teve.?O presidente do Parlamento disse esperar que Fidel tenha ?um período normal de recuperação? após a cirurgia.Segundo o correspondente da BBC em Havana Stephen Gibbs, o paradeiro de Raúl Castro é uma pergunta que começa a ser feita nas ruas de Havana.Apesar de o ministro da Defesa estar exercendo a Presidência desde a noite de segunda-feira, ele ainda não fez aparições públicas nem soltou comunicados.Fidel no comandoA maioria dos cubanos, como observa Gibbs, ainda crê que seu irmão mais velho, Fidel, ainda está no controle, apesar de estar se recuperando da cirurgia.Na noite de terça-feira, a TV cubana transmitiu um comunicado assinado por Fidel em que ele dizia se sentir ?bem?, mas que seu estado de saúde era um ?segredo de estado?.O comunicado expressou ainda gratidão pelas manifestações de apoio que ele recebeu de toda parte do mundo e pediu aos cubanos que mantenham suas rotinas diárias.?Todos precisam lutar e trabalhar?, diz o comunicado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.