Fidel faz reunião por telefone com Chávez no Haiti

O líder cubano, Fidel Castro, está voltando gradativamente ao trabalho e participou nesta semana, por telefone, de uma conferência presidencial no Haiti, disseram fontes do governo de Cuba.Fidel ligou quatro vezes para falar com os presidentes Hugo Chávez, da Venezuela, e René Préval, do Haiti, durante o encontro dos dois na segunda-feira em Porto Príncipe, para discutir a ajuda venezuelana e cubana ao Haiti.Também participou da reunião o vice-presidente cubano, Esteban Lazo. Chávez anunciou uma verba de US$ 21 milhões da Venezuela para financiar programas de assistência médica executados por profissionais cubanos em áreas rurais do Haiti. O cubano, com 80 anos, não aparece em público desde que uma cirurgia de emergência no intestino obrigou-o a transferir o poder a seu irmão Raúl, em julho. Seus assessores dizem que ele está cada vez mais forte e que está falando bastante ao telefone. "Fidel também participou da reunião por telefone. Ele queria garantir o sucesso da cooperação trilateral", disse Préval numa entrevista coletiva. Fidel deixou o poder formalmente no dia 31 de julho. A natureza da doença é um segredo de Estado, mas especula-se que ele tenha sofrido de diverticulite, uma infecção no intestino grosso. Recuperação de Fidel O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Felipe Perez Roque, disse na segunda-feira em Paris que Fidel está se recuperando visivelmente. "Não é uma boa notícia para (o presidente dos EUA, George W.) Bush", disse ele a repórteres, segundo a agência cubana Prensa Latina. "Ele está fazendo exercícios físicos e está bem mais forte", disse o ministro. Funcionários do governo norte-americano, que endureceram as sanções impostas contra Cuba para debilitar o governo comunista, disseram no ano passado acreditar que Fidel tinha câncer de estômago e lhe restavam poucos meses de vida. Mas Perez Roque disse, durante reunião da Unesco, que Bush vai ter de deixar a Casa Branca antes de uma mudança política em Cuba. Embora as autoridades cubanas afirmem que Fidel vai retomar seu papel como líder do governo, não se sabe se ele vai retomar o uso do uniforme militar e o hábito dos longos discursos. Em uma ligação ao programa de rádio de Chávez há duas semanas, Fidel disse sentir-se mais forte e que Cuba estava sendo governada sem problemas em sua ausência. "Só desejava estar fazendo as coisas de como as fazia (...) Os longos discursos, a presença em todas as atividades, de estar em todos e em cada um dos assuntos", disse Ricardo Alarcón, presidente da Assembléia Legislativa, em uma entrevista publicada no domingo no jornal argentino Clarín. "Se vai voltar a fazer as coisas como as fazia? Isso é outra história", disse Alarcón.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.